Lectio Divina - Ano C - 2018/2019

Domingo de Ramos - ANO C - 14 de abril de 2019

| Imprimir | PDF 

TEXTO BÍBLICO - Evangelho de São Lucas 23, 1-49 (Leitura breve) 

Resumo: Começa com a apresentação de Cristo pelos chefes religiosos judeus a Pôncio Pilatos: Este homem anda incentivando revolução no meio do nosso povo, proibindo pagar impostos a César e afirmando ser ele mesmo o Cristo, o rei. Pilatos não encontra nenhum crime em Jesus, e sabendo ser da Galileia, envia ao rei de lá, Herodes. Este tenta dialogar com Cristo. Jesus nem responde. Devolve a Pilatos sem acusação. Este tenta conversar com o povo sobre a inocência de Cristo. Nada consegue. Pedem para soltar o criminoso Barrabás e que crucifique o Cristo. Pilatos entrega Jesus para ser crucificado. Jesus carrega a cruz na direção do Calvário. Simão Cirineu é forçado a ajudá-lo. Uma multidão acompanhava, mulheres choravam. Jesus é quem as consola. Jesus chega ao monte Calvário e é crucificado. Dois criminosos também foram crucificados ao seu lado. Jesus diz: Pai, perdoa-lhes. Eles não sabem o que fazem. Ao ladrão arrependido que pede ser lembrado: Hoje mesmo, estarás comigo no paraíso. Ao meio dia a escuridão cobriu toda a terra até as três horas da tarde. Jesus gritou: Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito. E morreu.  O oficial romano diante disto exclamou: De fato, este homem era justo.. As multidões voltaram para casa batendo no peito. Os conhecidos de Jesus que o acompanhavam desde a Galiléa, ficaram à distância, olhando essas coisas. 

Comentários: Este ano somos guiados pelo evangelista São Lucas que nutre grande admiração pelo seu Senhor. O evangelista evita descrever os detalhes cruéis ou humilhantes da Paixão: ele não usa o termo “flagelar”, não fala da coroação de espinhos. Revela grande admiração por Jesus, modelo do justo sofredor, que com docilidade à vontade de Deus, aceita os sofrimentos e ajuda outras pessoas a converterem-se e a encontrar a união com Deus. No texto maior temos: 22,7-38: última ceia; 39-46: a oração de Jesus no Jardim das Oliveiras; de 47-71: prisão e processo; 23, 1-25: o processo civil diante de Pilatos e Herodes; 23, 26-49: condenação, crucificação e morte; 23, 50-56: acontecimentos após a morte.

Sobre este trecho apresentado:

·    A quem os judeus apresentam Jesus e para que? O que diziam?

·    Que pensaram e fizeram Pilatos e Herodes?

·    A que decisão os judeus insistiam a Pilatos para tomar? E o que ele fez?

·    Que condenação Pilatos deu a Jesus e como Ele o realizou?

·    Que palavras Jesus pronunciou na cruz: por quem e para quem?

·    Que aconteceu quando Jesus morreu? Como reagiram as pessoas?


M E D I T A Ç Ã O:

Jesus aceitou a vida humana como ela é, com suas alegrias e dificuldades.Sendo Deus não forçou ninguém a aceitá-lo. Ele se apresentou, falou, mas espera sempre a resposta das pessoas. Todos têm possibilidade de responder por si mesmos, com responsabilidade.

 Aceitamos que Deus é maior que nós, todo-poderoso, e queremos mais que Ele decida por nós. Mas Deus respeita nossa liberdade e espera nossa resposta. De um lado achamos que podemos acertar e nem sempre convidamos o Senhor a nos ajudar na escolha. Quando erramos pedimos ao Senhor que conserte...

 No domingo de Ramos, louvamos e bendizemos Cristo que em Jerusalém foi aclamado pelo povo como um rei, como o Messias: Hosana, viva o Filho de Davi, o Messias prometido. Unindo-nos a toda nossa Igreja: Senhor, nossas mãos ergueram o ramo de louvor, de aceitação de Ti como nosso Rei e Senhor: peço que minha voz, minhas mãos e meus pés mostrem a entrega de meu coração, de minha vontade, de minhas decisões em tuas mãos. Como no jardim das Oliveiras, contigo queremos afirmar com fé: Pai, se é de teu agrado, afasta de mim este cálice ! Mas, não se faça a minha vontade, mas a tua!

 Vigiem e orem, disse Jesus aos apóstolos no Jardim das Oliveiras... Vigiar é estar atento, desperto, ouvidos abertos, coração acolhedor ao que Jesus nos oferece. A sociedade inventa mil maneiras atraentes convidando-nos para viver uma vida alegre sem compromissos. Cristo, nos chama para uma alegria mais estável: a partir do silêncio, da meditação, do equilíbrio de nossos sentimentos em relação a nós e aos outros. A alegria do mundo é satisfação pessoal, fechada, egoísta. A alegria de Cristo vem da satisfação que sua presença nos dá e que nós queremos comunicar a todos.                            

A Ç Ã O:

Compromissos pessoais:

·    Preparamo-nos na quaresma para estes dias mais significativos de nossa fé. Acompanhemos com atenção cada momento da vida de Jesus nesta semana, a mais santa da vida de Jesus, da Igreja e nossa.

·    Vamos convidar as pessoas a participar das cerimônias da Semana Santa. Distribuir os folhetos com as cerimônias em nossa paróquia ou comunidade. 

Fonte – Diocese de Petrópolis

Compartilhar

5º Domingo da Quaresma - 07 de abril de 2019

| Imprimir | PDF 

Texto Bíblico: Evangelho de São João 8, 1-11

 

Jesus foi para o monte das Oliveiras. Ao amanhecer, ele voltou ao Templo, e todo o povo ia ao seu encontro. Então Jesus sentou-se e começou a ensinar. Chegaram os doutores da Lei e os fariseus trazendo uma mulher, que tinha sido pega cometendo adultério. Eles colocaram a mulher no meio e disseram a Jesus: Mestre, essa mulher foi pega em flagrante cometendo adultério. A Lei de Moisés manda que mulheres desse tipo devem ser apedrejadas. E tu, o que dizes? Eles diziam isso para pôr Jesus à prova e ter um motivo para acusá-lo. Então Jesus inclinou-se e começou a escrever no chão com o dedo. Os doutores da Lei e os fariseus continuaram insistindo na pergunta. Então Jesus se levantou e disse: Quem de vocês não tiver pecado, atire nela a primeira pedra. E, inclinando-se de novo, continuou a escrever no chão. Ouvindo isso, eles foram saindo um a um, começando pelos mais velhos. Jesus ficou sozinho. A mulher continuava ali no meio. Jesus então se levantou e perguntou: Mulher, onde estão os outros? Ninguém condenou você? Ela respondeu: Ninguém, Senhor. Então Jesus disse: Eu também não a condeno. Pode ir, e não peque mais.

 

L E I T U R A:

Jesus estava ensinando ao povo. Os chefes religiosos judeus, para provocar, trouxeram uma mulher pega em adultério e a colocaram diante de Jesus. Lembraram que pela Lei de Moisés, ela devia ser apedrejada. Jesus nada falou. Inclinado, escrevia no chão. Eles insistiram. Jesus disse: Quem de vocês nunca pecou pode atirar a pedra. E de novo escrevia no chão. Eles foram saindo um por um. Jesus vendo a mulher ainda no chão humilhada perguntou: Ninguém te condenou ? Eu também não te condeno. Vai em paz e não peque mais.

·       Quem veio ao encontro de Jesus, trazendo o que?

·       Que lembraram sobre a Lei de Moisés neste caso?

·       Que fez Jesus? E de novo, o que disseram?

·       Que respondeu Jesus e o que fizeram eles?

·       Que disse Jesus para a mulher?

  

M E D I T A Ç Ã O:

Encontrar-se com Jesus provoca reação em nós. Seja vergonha por não mostrar a Ele que lhe queremos bem, seja porque mesmo querendo bem a Ele, ainda fazemos algo que nos afasta d´Ele.

·       Por que Jesus não responde nada sobre o pecado desta mulher?

·       Que pretendia dando tempo e escrevendo no chão?

·       Por que Jesus desafia dizendo: quem não tem pecado atire a pedra?

·       Quando sabemos que somos pecadores, podemos ajudar alguém a sair do pecado?

·       A bondade de Jesus aprova o erro da mulher? Que pretende Jesus?

·       Jesus às vezes pode ficar escrevendo no chão de nossa vida... Por quê? Para que?

 

O R A Ç Ã O:

No Pai nosso: perdoai-nos... quero o perdão para mim. Mas primeiro preciso: como perdôo os outros, não guardando mágoas. Não nos deixeis cair em tentação: que eu não provoque a tentação. Que tentado, eu olhe para Deus que me ama. A tentação é um teste de amor! Não posso tentar a Deus, arriscar-me no perigo... Mas livrai-nos do mal... Só Deus é nossa força. Que a luz da Palavra e da bondade de Deus nos afaste da busca de fazer a minha vontade.

 

Reze com calma o salmo 120(121).

 

C O N T E M P L A Ç Ã O:

O olhar de Deus sempre acompanha minha vida. É como a coluna sagrada da travessia do povo no deserto (Ex 13,21s): de dia a coluna de nuvem, de noite a coluna de fogo para iluminar e guiar nossa vida. Nossos pecados não nos deixam olhar para o alto, para a coluna sagrada... Prostrados por terra como a adúltera, sem levantar a cabeça, só vemos nossos pecados... Ouçamos a voz de Cristo: Eu não te condeno. Levanta de teu pecado e vai em paz. Mas não tornes mais a pecar.  Quando o espelho está embaçado, não podemos ver nele nosso rosto. Assim também quando estamos em pecado não é possível ver Deus (S.Teófilo de Antioquia - séc.II)

 

A Ç Ã O:

Proposta pessoal:

Quaresma – recorrer à confissão – sacramento de misericórdia, que nos levanta do chão de nossa fraqueza e nos conduz seguros até a Páscoa.

 

Proposta comunitária:

Quaresma para todos – tenho de ajudar outros a procurar o sacramento da confissão. Seja você um anjo de Deus para todos indicando o caminho do perdão e da paz.

 

Fonte – Diocese de Petrópolis

Compartilhar

4º Domingo da Quaresma - 31 de março de 2019

| Imprimir | PDF 
Texto Bíblico: Evangelho de São Lucas 15, 1-3. 11-32

Os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus, para O ouvirem. Mas os fariseus e os escribas diziam: Este homem acolhe os pecadores e come com eles. Jesus contou-lhes então a parábola: «Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me toca. O pai repartiu os bens pelos filhos. Dias depois, o filho mais novo, levando seu dinheiro, viajou para longe. E lá perdeu tudo, numa vida de prazeres. Tendo gasto tudo, houve grande fome na região. Ele começou a passar privações. Pegou um serviço: cuidar dos porcos. Desejava matar a fome com o que dava aos porcos, mas ninguém lhe dava. Caindo em si, disse: ‘Os empregados de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! Vou-me embora, vou ter com meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Nem mereço ser chamado teu filho. Trata-me como um de teus empregados’. Levantou-se e pôs-se a caminho de volta para o pai. Ainda ele estava longe, quando o pai o viu. Encheu-se de compaixão, correu, abraçou-o, cobrindo-o de beijos. Disse-lhe o filho: Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos servos: Tragam depressa a melhor túnica e vesti-o. Ponham um anel no dedo e sandálias nos pés. Tragam o vitelo gordo e matem-no. Comamos e festejemos, porque este meu filho estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado. E começou a festa. Ora o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se de casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou o que estava acontecendo. Disse-lhe : O teu irmão voltou e teu pai mandou matar o vitelo gordo, porque chegou são e salvo. Ele ficou aborrecido e não queria entrar. Então o pai veio insistir para que entrasse. Mas ele respondeu ao pai: Há tantos anos que eu te sirvo, sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos.  E agora, quando chegou esse teu filho, que consumiu os teus bens com mulheres de má vida, mataste-lhe o vitelo gordo. Disse-lhe o pai: Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado.
 * O que pensavam os fariseus sobre Jesus? De que reclamavam?
* Como Jesus respondeu a eles? Que história contou?
* Que queria o filho mais novo da família? Conseguiu?
* Que fez com o dinheiro recebido? E quando acabou o dinheiro?
* Na situação difícil, que decidiu o rapaz?
* Voltando para a casa, como foi recebido?
* Qual a reação de seu irmão mais velho? Que respondeu o pai?

M E D I T A Ç Ã O:
Jesus sempre ajuda-nos a entender o que é melhor para nós. Diante das faltas, ajuda-nos a recuperar o amor perdido. Como um filho que se feriu brincando onde não devia. O pai chama à atenção, mas socorre o filho. Na História da Salvação, na Bíblia, os profetas chamavam à atenção o povo que se desviava do caminho certo. Mas sempre tinham uma palavra que provocasse neles uma confiança na misericórdia e bondade de Deus.
* O que é que em minha vida de cristão me afasta da casa do Pai?
* No meio de sofrimentos, longe de Deus, que penso?
* Como entendo e aproveito a confissão que a Igreja me oferece?
* Na quaresma, estou atento às leituras bíblicas que sugerem conversão?
* Preocupo-me com os que estão afastados de Deus? Que faço?

O R A Ç Ã O:
O Pai nosso nos sugere: Pai nosso, não só meu, mas de todos sem distinção. Que estás nos céus: onde Deus está é o céu, a paz, o amor. Santificado seja o vosso nome: o nome de Deus é santo, santifica. Meu Deus, socorrei-me. Jesus, transforma, fica conosco. Com fé, chamemos por nosso Pai. Venha a nós o vosso reino. O reino não cai do céu. Tenho eu com os outros de realizar o reino de Deus de amor e perdão no meio de todos. Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. Vossa vontade, Senhor é que acreditemos em vosso amor e aceitemos seguir vossa vontade, como Pai amoroso.

C O N T E M P L A Ç Ã O:
Imaginemos a alegria do filho que se afastou de casa para gozar a vida... Amigos, amigos... de quem mesmo?  ... Acompanhemos a perda do dinheiro, dos amigos e a busca de trabalho... Fome na região. Único trabalho: cuidar de porcos... Fome... Tristeza. Senta-se numa tarde numa pedra e fica a pensar em tudo o que perdeu e no que tem em sua casa, família... Decide... volta.. encontro com seu pai. Abraço...Festa..  O que acontece conosco...

A Ç Ã O:
Proposta pessoal:
O que preciso fazer para valorizar minha presença na casa de meu Pai? Para não esbanjar as riquezas de graças que me oferece como filho.

Proposta comunitária:
Convidar pessoas que estão afastadas da vivência religiosa para que participem da Via Sacra ou de outra devoção da quaresma. Ir a casa delas para rezar...
 

Fonte – Diocese de Petrópolis
Compartilhar

3° Domingo da Quaresma - 24 de março de 2019

| Imprimir | PDF 

TEXTO BÍBLICO: Evangelho de São Lucas 13, 1-9

 

Chegaram pessoas trazendo notícias a Jesus sobre os galileus que Pilatos tinha matado, enquanto ofereciam sacrifícios. Jesus comentou: Vocês acham que esses galileus, por terem sofrido tal sorte, eram mais pecadores do que os outros galileus? De modo algum. Eu lhe digo: se vocês não se converterem, vão morrer do mesmo modo. E aqueles dezoito que morreram quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensam que eram mais culpados que todos os outros moradores de Jerusalém? De modo algum. Mas se vocês não se converterem, vão morrer todos do mesmo modo. Então Jesus contou uma parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada no meio da vinha. Foi até ela procurar figos e não encontrou. Então disse ao lavrador: Veja! Faz três anos que venho buscar figos nesta figueira e não encontro um figo. Corte-a. Ela só fica aí esgotando a terra. Mas o lavrador respondeu: Senhor, deixa a figueira ainda este ano. Vou cavar em torno dela e por adubo. Quem sabe se ela então não dará fruto? Se não der, então a cortarás.

 

Pilatos mandou matar habitantes da Galileia enquanto realizavam uma celebração religiosa oferecendo sacrifícios. Contaram isso a Jesus. Conforme a maneira de pensar de então um fato assim seria interpretado como castigo de Deus por algum pecado deles. O mesmo julgamento seria sobre os que morreram quando a torre de Siloé desabou. Jesus reflete: não devemos nos preocupar com os castigos e sim que são sinais que nos convidam a mudar de vida, a nos convertermos para uma vida melhor. Jesus conta então uma parábola sobre a figueira que fazia três anos que não dava figo. A resposta do lavrador é sábia e corresponde ao que Deus também quer de nós: sempre é tempo para tentar melhorar e mudar de vida para produzir frutos de boas ações.

 

* Que fato da Galileia é apresentado por Jesus?

* Que comentou Jesus sobre isso?

* Que outro fato foi citado e o que disse Jesus?

* Que lição Jesus quis ensinar-nos?

* Que parábola Jesus contou e que solução foi colocada?

 

ME D I T A Ç Ã O:

* Que pensamos sobre os fatos que acontecem conosco ?

* Qual tem sido a resposta de minha fé em relação a isso ?

* Penso que Deus me castiga? Que diz a fé religiosa sobre isso?

* Nesta quaresma que faço por minha conversão, mudança de vida ?

* Tenho recebido muitas graças de Deus ? Apresente algumas.

* As graças que recebo de Deus me levam a pensar mais nos outros?

 

O R A Ç Ã O:

O tempo da quaresma deve levar-me a pensar em meus pecados, no arrependimento deles e a confiar no perdão de Deus, também pela confissão. Rezemos: Tem piedade de mim, Senhor, por tua grande bondade: perdoa minhas faltas. Lava-me, purifica-me de meu pecado. Renova em mim um espírito firme. Não me afaste para longe de ti !(Sl 50/51)... Pois o Senhor ordenou a seus anjos que me guardem em todos os meus caminhos. Eles me levarão em suas mãos !(Sl 90/91)

 

CONTEMPLAÇÃO:

Pensemos devagar no que segue: Nossa mente e sentimentos guardaram uma educação de muitos medos. Nossa fé deve se iluminar para sinceramente reconhecer o que somos, nossos pecados e imitações. Cristo veio para se apresentar a cada um de nós e despertar uma grande confiança em sua bondade e amor. As multidões que acompanhavam Jesus para estar com ele e ouvi-lo, não pensavam se mereciam ou não! Confiavam em sua bondade e misericórdia.

 

A Ç Ã O:

Proposta pessoal:

Cada fim de dia, em nossa oração da noite, lembrar o que aconteceu de bom naquele dia para agradecer a Deus. E de errado para confiar na bondade do Senhor e em seu perdão.

 

Proposta comunitárias

Procurar pessoas que se afastaram de Deus e da Igreja por algum fato, alguma rejeição – e ajudá-las a buscar de novo um padre que possam ouvi-las e compreendê-las.

 

Fonte – Diocese de Petrópolis

Compartilhar

2º Domingo da Quaresma - 17 de março de 2019

| Imprimir | PDF 
TEXTO BÍBLICO: Evangelho de São Lucas 9, 28b-36
 
Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e subiu ao monte para orar. Enquanto orava, transformou-se o seu rosto e suas vestes tornaram-se resplandecentes como a luz. E eis que falavam com Ele duas pessoas: Moisés e Elias, que apareceram envoltos em glória, e que falavam da morte dele, que se havia de cumprir em Jerusalém. Entretanto Pedro e seus companheiros tinham deixado vencer-se pelo sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens em sua companhia. Quando eles se afastaram de Jesus, Pedro disse: Mestre, é bom estarmos aqui. Podemos levantar três  tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias. Ele não sabia o que dizia. Enquanto assim falava, veio uma nuvem e os encobriu com sua sombra. Os discípulos vendo-os desaparecer na nuvem, tiveram medo. Então da nuvem saiu uma voz : Este é meu Filho muito amado. Ouvi-o. E enquanto ressoava esta voz, achou-se Jesus sozinho. Os discípulos a ninguém disseram naqueles dias nada do que tinham visto.                 
                 
1 - Leitura: O que diz o texto?  
Indicações para a leitura:
Em meio a seu ministério, hoje, Jesus leva os discípulos para dar-lhes uma "antecipação" de sua glória, última. A tradição identifica como o monte Tabor. A montanha, é no Antigo Testamento, lugar das revelações divinas. Pedro, Tiago e João são os mesmos que Jesus escolheu para estar perto dele na agonia do Jardim da Oliveiras. Em ambos os momentos sentiram medo diante de situações além de seu entendimento.
Transfiguração: é assumir um aspecto diferente. O  rosto de Jesus resplandece e as vestes brancas (Moisés refletia seu rosto brilhante - a luz de Deus - quando desceu do monte com as tábuas da Lei). Aqui Jesus brilha com luz própria, de Deus, que revela o seu ser mais íntimo. Moisés e Elias: representam o Antigo Testamento, a Lei e os profetas. Jesus testemunha que é o Filho único do Pai. Traz Moisés e Elias nesta apresentação para os discípulos.
"Que bom estarmos aqui": Pedro queria prolongar a felicidade deste momento privilegiado.  A Nuvem: luminosa, lembra o Êxodo: Deus acompanhava o povo.  A Voz do Pai: Este é o meu Filho querido. Escutem-no! Como no Batismo de Jesus.  Para os judeus Escutar é Obedecer,  é voltar a pôr no coração. No Deuteronômio Escuta Israel. A voz celestial ordena escutar a Jesus
  
Outros textos para comparar: Ex 3,1-17; Mt 4,8; 5,1-2; 28, 16-20; Mc 9,2-13; Lc 9,28-36)
 
Perguntas para a leitura:
* Quais são os apóstolos que Jesus escolhe nesta passagem?
* O que viram os três apóstolos?
* Quem apareceu a Jesus? Que significa a presença deles do Antigo Testamento?
* Como se sentiu Pedro diante desta situação e o que quis fazer?
* De quem foi a voz que se escutou e o que dizia?
* O que aconteceu com os discípulos ao escutarem a voz? Como se sentiram?
* Que aconteceu quando os discípulos olharam mais uma vez?
              
2 – MEDITAÇÃO:
* Deixo que Jesus me guie, indique o caminho a seguir, onde Ele quer que eu vá? Ou prefiro outros caminhos? Quais?
* Entendo que para seguir Jesus também existem regras que devo conhecer e que grande parte destas são anunciadas no Antigo Testamento?
* Reconheço que Jesus é o Senhor da minha vida? Até onde creio Nele?
* Tenho-o como um amigo ou simplesmente busco cumprir suas "leis"?
* Reconheço-o verdadeiramente como o Messias, meu Salvador?
* Sinto-me feliz com a presença de Deus que me acompanha, ou sua presença a sinto como incômodo, um certo peso  que me  dá leis e mandamentos?
* Sou capaz de ESCUTAR e OBEDECER a Deus?
 
3 – ORAÇÃO:
A oração é resposta a Deus, que se revela por sua Palavra. Jesus nos fala hoje: Como lhe respondemos? Façamos silêncio em nosso coração. E comecemos a responder ao Senhor:
* Senhor, sinto como estes apóstolos, se te manifestas na minha vida,  me confundo?
* Tua presença me causa alegria, mas também um grande medo? Por que?
 
Senhor, sei que me amas, mas não sei quando te obedeço. Abre Senhor meu coração e minha mente para que eu possa decidir-me por seguir-te, obedecer-te e escutar-te a cada dia mais. Que eu entre neste processo de transformação para que um dia eu possa dizer como São Paulo: Já não sou eu quem vive mas é Cristo quem vive em mim. Amém!
 
4 – CONTEMPLAÇÃO:
A Transfiguração do Senhor nos leva a um diálogo com Cristo e com seus discípulos: Senhor, tu te manifestas a mim. Que eu seja capaz de reconhecer-te em todos os sinais da tua presença. Senhor ajuda-me a reconhecer-te e a amar-te a cada dia mais.  Senhor que eu te escute e obedeça. Tenho medo, ajuda-me a levantar-me para que me acompanhes.  Nada temo porque tu estás comigo.
 
5 – AÇÃO:     
Propostas pessoais: Propor-me na Quaresma a ler o evangelho de cada dia, como sinal de querer escutar a Deus, obedecer-lhe em cada momento de minha vida.
 
Propostas comunitárias
* Fazer este exercício com outras pessoas, tranquilamente e sem pressa. Leiamos os textos sugeridos e falar,  juntos, sobre o desenvolvimento do exercício.
* Propor-se alguma forma concreta para mostrar a todos que Jesus é o Senhor.
 
 
Fonte – diocese de Petrópolis
Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2019

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.