Coração de Sião

Coração de Sião - Março de 2013

| Imprimir | PDF 

CORAÇÃO DE SIÃO – MARÇO DE 2013

 

...EM NENHUM MOMENTO NOS SUBMETEMOS A ESSAS PESSOAS.

 

Quaresma, tempo de oração, renúncia, penitência, abstinência, momento do propício para que, de forma pessoal, nos questionemos e reflitamos, como está o nosso processo de conversão.
Para isso, precisamos de referências... a leitura orante da Bíblia é indispensável. Lá entre tantos personagens, temos como referência de conversão, São Paulo. Ele mesmo nos fala sobre isto, através da carta aos gálatas: “as igrejas de Cristo na Judéia não me conheciam pessoalmente. Elas apenas ouviam dizer: 'Aquele que nos perseguia, agora está anunciando a fé que antes procurava destruir'. E louvavam a Deus por minha causa. Catorze anos depois, voltei a Jerusalém com Barnabé e levei também Tito comigo. Fui lá seguindo uma revelação. Expus a eles o Evangelho que anuncio aos pagãos, mas o expus reservadamente as pessoas mais notáveis, para não me arriscar a correr ou ter corrido em vão. Nem Tito, meu companheiro, que é grego, foi obrigado a circuncidar-se. Nem mesmo por causa dos falsos irmãos, os intrusos que se infiltraram para espionar a liberdade que temos em Jesus Cristo, a fim de nos tornar escravos. Mas para que a verdade do Evangelho continuasse firme entre vocês, em nenhum momento nos submetemos a essas pessoas. No que se refere àqueles mais notáveis - pouco me importa o que eles eram então, porque Deus não faz diferença entre as pessoas - esses mesmos notáveis nada mais me impuseram. Pelo contrário, viram que a mim fora confiada à evangelização dos não circuncidados, assim como a Pedro fora confiada à evangelização dos circuncidados. De fato, aquele que tinha agido em Pedro para o apostolado entre os circuncidados, também tinha agido em mim a favor dos pagãos. Por isso, Tiago, Pedro e João, considerados como colunas, reconheceram a graça que me fora concedida, estenderam a mão a mim e a Barnabé em sinal de comunhão: nós trabalharíamos com os pagãos, e eles com os circuncidados. Eles pediram apenas que nos lembrássemos dos pobres, e isso eu tenho procurado fazer com muito cuidado”. (Gl 1, 23 - 2,10)
São Paulo nos fala “Fui lá seguindo uma revelação”, nos dias de hoje, ficamos “chocados”, quando aquele que detém o Ministério Petrino, o papa, nos comunica ter tomado “uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005” (trecho do discurso de renúncia do Papa Bento XVI em 10/02/2013).
Os exemplos acima, nos ajudam a descobrir alguns valores necessários para a conversão e assim, em processo de conversão, sejamos testemunhas no meio e nos ambientes em que convivemos, pois a sociedade nos tempos de hoje precisa de testemunhas de fé, de renúncia e que entre tantos outros valores conheçam seus limites e respeitem o limite dos outros.             
 

 
INTENÇÕES DO MÊS
Neste tempo de Quaresma, precisamos pedir por nossa conversão e de todos os pecadores.
Agora, especialmente, não podemos esquecer-nos de rezar pelo nosso Papa Bento XVI, que num ato de humildade e amor à Igreja, reconhecendo ainda as necessidades desta mesma Igreja, abriu mão do seu pontificado.
Rezemos ainda pedindo ao Espírito Santo que ilumine os Cardeais que estarão reunidos no Conclave, para escolher o nosso próximo pontífice, o Papa.
Rezemos pela Jornada Mundial da Juventude, por todos os responsáveis por sua organização, pelos voluntários e famílias que irão acolher os peregrinos.
Rezemos ainda pelos peregrinos que farão em nosso Brasil, e de um modo todo especial no Rio de Janeiro, esta experiência de fé, neste momento novo da Igreja já com o nosso novo Papa.       
Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!
 
REZEMOS 
Rezemos a oração pronunciada pelo Papa Bento XVI em seu último Angelus como Pontífice e a tomemos como nossa, para este tempo que deve ser de oração para todos os cristãos.
Então oremos:
“Obrigado! O Senhor me chama a ‘subir o monte’, a dedicar-me ainda mais à oração e à meditação. Mas isto não significa abandonar a Igreja, ao contrário, se Deus me pede isto é para que eu possa continuar a servi-la com a mesma dedicação e o mesmo amor com o qual tenho buscado fazê-lo até agora, mas de modo mais adequado à minha idade e às minhas forças. Invoquemos a intercessão da Virgem Maria: ela nos ajude a todos a seguir sempre o Senhor Jesus, na oração e nas obras de caridade”.
Oremos ainda:
Pai bondoso, te rogamos pela tua santa Igreja Católica, para conduzi-la à verdade, com toda paz. Onde estiver corrompida, purificá-la, onde estiver no erro, corrigi-la; onde se tenha desviado, reformá-la. No que for justa, fortalecê-la; de quanto necessita, provê-la; e onde estiver dividida, reuní-la. Por amor de Jesus Cristo, teu filho, nosso salvador. Amém.
Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!
Façamos nossa profissão de fé,  rezando o Credo.
1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.
Compartilhar

Coração de Sião - Fevereiro de 2013

| Imprimir | PDF 

EIS QUE HOJE PONHO DIANTE DE TI...!

 

Já iniciamos o novo ano, apesar de no Brasil, dizermos que o ano só começa depois do carnaval!

É bom repensarmos este dito popular, assim como tantos outros que aos poucos vão sendo propostos e acabamos por aceitar; e aceitando, assimilamos e passamos a viver em função deles.

Lembremos que a vida não para, o que altera são os ciclos de nossa vida, as horas, os dias, as semanas, os meses, os ano e assim por diante. Tudo passa. É preciso que o nosso olhar sobre a vida e seu tempo não sejam interrompidos pelo que nos apresentam como verdades, pois Jesus nos diz: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (cf. Jo 14, 6).

Diante de nós, e de nossa permanência aqui na Terra, nos é apresentada a forma correta de viver: “Eis que hoje ponho diante de ti a vida e a felicidade, a morte e a desgraça. Se obedeceres aos mandamentos do Senhor teu Deus, que hoje te imponho, amando ao Senhor teu Deus, seguindo seus caminhos e guardando seus mandamentos, suas leis e seus decretos, viverás e te multiplicarás e o Senhor teu Deus te abençoará. Mas se o teu coração se desviar e não escutares, se te deixares arrastar para adorar e prestar culto a outros deuses, eu vos declaro hoje que certamente perecereis. Cito hoje o céu e a terra como testemunhas contra vós, de que vos propus a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe a vida para que vivas com tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, escutando sua voz e apegando-te a ele”. (cf. Dt 30, 15-20)

“A atividade humana, o seu agir, do mesmo modo que procede do homem, assim para ele se ordena. De fato, quando age, o homem não transforma apenas as coisas e a sociedade, mas realiza-se a si mesmo. Aprende muitas coisas, desenvolve as próprias faculdades, sai de si e eleva-se sobre si mesmo. Este desenvolvimento, bem compreendido, vale mais do que os bens externos que se possam conseguir. O homem vale mais por aquilo que é do que por aquilo que tem (1). Do mesmo modo, tudo o que o homem faz para conseguir mais justiça, mais fraternidade, uma organização mais humana das relações sociais, vale mais do que os progressos técnicos. Pois tais progressos podem proporcionar a base material para a promoção humana, mas, por si sós, são incapazes de a realizar.

A norma da atividade humana é pois a seguinte: segundo o plano e vontade de Deus, ser conforme com o verdadeiro bem da humanidade e tornar possível ao homem, individualmente considerado ou em sociedade, cultivar e realizar a sua vocação integral”. (cf. GS 35)

É a partir destes e de outros princípios que o Senhor, através da Sagrada Escritura e do Magistério de sua Igreja nos propõem que devemos viver, e assim vivermos bem e nos realizarmos. Por isso o carnaval não pode ser o ponto de partida para o nosso ano; ele está inserido em nossa realidade temporal, mais não apresenta parâmetros dignos para o nosso viver.

Aproveite sim estes dias de carnaval para estar com a família e principalmente ter um encontro com o teu Senhor!  

Que Deus nos abençoe em todo este ano!


INTENÇÕES DO MÊS

Neste tempo novo, que já se iniciou, peçamos ao Senhor que sua presença se faça mais e mais em nosso meio e em nossa sociedade, de forma que nos tornemos mais justos e fraternos.

 

Peçamos ainda pelas famílias, pela Igreja, pelos governantes.

Continuemos a pedir ao Senhor pela JMJ – RIO 2013, e assim por todos os seus organizadores, voluntários, famílias que irão acolher os peregrinos, jovens que vêem ao nosso país para este grande encontro de fé com o nosso Santo Padre o Papa Bento XVI.

Peçamos ainda pelo Papa Bento XVI, nas suas intenções, por sua saúde e pontificado.

Coloquemos também diante do Senhor a nossa Igreja de Petrópolis, nosso bispo, Dom Gregório Paixão e todos os sacerdotes.

E não esqueçamos as vocações, sejam elas: sacerdotais, religiosas ou leigas. Pedindo ao Senhor que envie operários para sua Messe.

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!

REZEMOS 

Rezemos com o Salmo 32 por nossas intenções deste tempo novo: Exultai no Senhor, ó justos, pois aos retos convém o louvor. Ele ama a justiça e o direito, da bondade do Senhor está cheia a terra. Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e pelo sopro de sua boca todo o seu exército. Ele junta as águas do mar como num odre, e em reservatórios encerra as ondas.  Tema ao Senhor toda a terra; reverenciem-no todos os habitantes do globo.  Porque ele disse e tudo foi feito, ele ordenou e tudo existiu. O Senhor desfaz os planos das nações pagãs, reduz a nada os projetos dos povos. Só os desígnios do Senhor permanecem eternamente e os pensamentos de seu coração por todas as gerações. Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus, e o povo que ele escolheu para sua herança. O Senhor olha dos céus, vê todos os filhos dos homens. Do alto de sua morada observa todos os habitantes da terra, ele que formou o coração de cada um e está atento a cada uma de suas ações. Não vence o rei pelo numeroso exército, nem se livra o guerreiro pela grande força. O cavalo não é penhor de vitória, nem salva pela sua resistência. Eis os olhos do Senhor pousados sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua bondade, a fim de livrar-lhes a alma da morte e nutri-los no tempo da fome. Nossa alma espera no Senhor, porque ele é nosso amparo e nosso escudo.  Nele, pois, se alegra o nosso coração, em seu santo nome confiamos. Seja-nos manifestada, Senhor, a vossa misericórdia, como a esperamos de vós.”. (Sl 32, 2. 5-22)

 Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.

 

Compartilhar

Coração de Sião - Dezembro de 2012

| Imprimir | PDF 

É TEMPO DE ENCONTRAR COM O SENHOR!

Nos dias de hoje ouvimos o seguinte chavão: “o tempo está passando muito rápido”!

Se esta afirmação é real, precisamos fazer uma revisão na utilização de nosso tempo, para o aproveitarmos bem.

O mês de dezembro nos trás a novidade de um novo ano, tempo novo, de preparação, de espera, de encontro.

O ano litúrgico se antecipa ao civil. A liturgia, com o tempo do Advento que neste ano começa no primeiro domingo de dezembro, nos chama a atenção de que antes de toda a ação é preciso uma preparação espiritual. Precisamos nos preparar para este momento novo de nossa vida.

A primeira solenidade do novo ano litúrgico é o Natal, comemoração do nascimento de Jesus, primeira vinda do Filho de Deus entre os homens, período que através da lembrança, devemos voltar nossos corações para a expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos. Por esses motivos, é o Advento momento propício para que de forma piedosa, tomemos a consciência que precisamos de conversão e purificação, para esperarmos a vinda definitiva de Jesus.

Ao nascer, Jesus recebeu a visita dos reis magos como nos relata São Mateus:“Tendo nascido Jesus em Belém da Judéia no tempo do rei Herodes, alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: ‘Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Vimos sua estrela no Oriente e viemos prestar-lhe homenagem’. Ao ouvir isso, o rei Herodes ficou alarmado e com ele toda Jerusalém. Reuniu todos os sumos sacerdotes e os escribas do povo, e começou a perguntar-lhes onde deveria nascer o Cristo. ‘Em Belém da Judéia. Herodes chamou, os magos e informou-se com eles cuidadosamente sobre o tempo exato em que a estrela tinha aparecido. Depois, mandou-os a Belém e disse: Ide e investigai bem sobre o menino e, quando o tiverdes encontrado, comunicai-me, para que eu também possa ir prestar-lhe homenagem’. Guiados pela estrela, chegaram no lugar onde estava o Menino, encheram-se de grande alegria. Depois, avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para sua terra por outro caminho”.(cf. Mt 2, 1-12)

Esta também deve ser nossa atitude, após o encontro com o Senhor, não voltarmos pelo mesmo caminho, não permanecermos vazios, mais plenos da presença Senhor. E que nosso coração seja o lugar mais simples, porém acolhedor, como aquela manjedoura na qual Maria colocou o Menino Deus após o nascimento.

O tempo do Advento é para isso: preparar o coração para que não aconteça o que aconteceu no nascimento de Jesus. Nossa Senhora andou de casa em casa procurando o lugar para dar a luz ao Menino, e não havia lugar para eles.

Abramos o coração, para que nele o Senhor nasça e reine!   

 


INTENÇÕES DO MÊS

Para nós que cremos na vida, é tempo de nascimento, tempo de vida nova!

Estamos passando por momentos difíceis. Somos chamados a ser continuadores da criação, ou seja, continuar a obra do Criador, que é Deus. Temos assistido nestes tempos, o poder tomado de forma arbitrária, irresponsável, promotor de uma cultura contra a vida, contra a criação e assim contra o Criador!

O Brasil e todos nós, povo brasileiro, precisamos tomar consciência dos males que o aborto e toda a política contra a vida promovem em nosso meio e sociedade.

Hoje, países desenvolvidos revêem suas leis a favor do aborto, outros como a Eslováquia, Polônia, Irlanda já se posicionaram contra o aborto.

Mais uma vez, e sempre, rezemos pelas autoridades para que neste tempo de encontro com o Senhor de modo especial, façam esta experiência do encontro com Jesus Menino e mudem a sua trajetória.

Não esqueçamos ainda da Jornada Mundial da Juventude, por sua preparação, e realização.

E pela posse no dia 16 de dezembro de nosso bispo, Dom Gregório Paixão.  

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!

 

REZEMOS 

Com Nossa Senhora rezemos o Magnificat: “Minha alma engrandece o Senhor e rejubila meu espírito em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humildade de sua serva. Eis que de agora em diante me chamarão feliz todas as gerações, porque o Poderoso fez por mim grandes coisas: O seu nome é santo. Sua misericórdia passa de geração em geração para os que o temem. Mostrou o poder de seu braço e dispersou os que se orgulham de seus planos. Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e os ricos despediu de mãos vazias. Acolheu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme o que prometera a nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. (cf. Lc 1, 46-55)

Ó Maria concebida sem pecado! Rogai por nós que recorremos a vós!

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.

Compartilhar

Coração de Sião - Janeiro de 2013

| Imprimir | PDF 

O QUE ESCOLHER?

Ao iniciar um novo ano, nos enchemos de esperança e expectativas!

O novo nos leva a tomar decisões, fazermos opções, escolhas... E é aí que devemos nos perguntar: O que escolher?

Esta pergunta deve ser respondida com base nas palavras de São Paulo que nos diz: “Tudo me é permitido, mas nem tudo convém. Tudo me é permitido, mas não me deixarei dominar por coisa alguma. Os manjares são para o ventre, e o ventre para os manjares; porém Deus destruirá um e outros. Nosso corpo e assim nossa vida é para o Senhor; e Deus, que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo poder. Ou não sabeis que vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós, que recebestes de Deus, e que, portanto, vós não vos pertenceis? Fostes comprados e pagos. Glorificai, pois, a Deus em vosso corpo, com vossa vida”. (cf. 1 Cor 6, 12-14; 19-20)

Nossas escolhas precisam ser bem discernidas não a partir do que nos apresentam e sim a partir Daquele que é o princípio de tudo que é Deus e que deve ser o Senhor de nossas vidas e de nossas escolhas, pois tudo começa Nele, deve passar por Ele e terminar Nele.

Precisamos com nossas escolhas, decisões e assim com nossa vida, saber definir a quem servimos, a quem seguimos, pois “com efeito, o mundo criado aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus. As criaturas foram sujeitas à vaidade, não voluntariamente mas pela vontade daquele que as sujeitou, na esperança de serem também elas libertadas do cativeiro da corrupção para participarem da liberdade gloriosa dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda a criação até agora geme e sente dores de parto. E não somente ela mas também nós que temos as primícias do Espírito gememos dentro de nós mesmos, aguardando a adoção, a redenção de nosso corpo. Porque em esperança estamos salvos, pois a esperança que se vê já não é esperança. Porque aquilo que alguém vê, como há de esperar? Se esperamos o que não vemos é em paciência que esperamos. Também o Espírito vem em auxílio de nossa fraqueza porque não sabemos pedir o que nos convém. O próprio Espírito é que advoga por nós com gemidos inefáveis, e aquele que esquadrinha os corações sabe qual o desejo do Espírito porque ele intercede pelos santos segundo Deus. Nós sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, dos que são eleitos segundo seus desígnios. Os que de antemão conheceu, também predestinou a serem conformes à imagem de seu Filho, para que este seja o primogênito de muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou. E aos que chamou, também justificou. E aos que justificou, a esses também glorificou”.( Rm 8, 19-30)

Nossa Senhora em suas mensagens, nas diversas aparições ao longo dos anos, nos orienta a rezar, fazer penitência e abstinência, para que assim nos conformemos ao seu Filho, para a nossa salvação e do mundo inteiro.   

Que tenhamos um Feliz e Santo Ano Novo, no Senhor!

Que Ele abençoe a nós neste ano de 2013!


INTENÇÕES DO MÊS

É claro que neste princípio de ano precisamos, em primeiro lugar, pedir ao Senhor um novo ano santo, cheio de Sua presença!

Peçamos pelas famílias, pela Igreja e por nossos governantes.

Não podemos deixar fora de nossas intenções a JMJ. Peçamos de um modo muito particular pelos jovens, por nosso Santo Padre o Papa Bento XVI, por nossos bispos e sacerdotes, para que a JMJ, que acontecerá no Rio de Janeiro no mês de julho, seja um grande sucesso, que alcance os seus objetivos. Nas intenções da JMJ, peçamos também pelas famílias que já se dispuseram acolher os peregrinos e para que mais famílias também se disponham.

Peçamos ainda por nossa Igreja de Petrópolis, pelas intenções de nosso novo bispo, Dom Gregório Paixão.

Peçamos ainda pelas vocações, sejam elas: sacerdotais, religiosas ou leigas. Pedindo ao Senhor que envie operários para sua Messe.

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!

 

REZEMOS 

Rezemos com o Salmo 62 por nossas intenções deste ano novo, deste novo tempo: “Só em Deus minha alma descansa, dele me vem a salvação. Só ele é minha rocha e salvação, minha fortaleza: jamais vacilarei. Até quando vos lançareis sobre um homem para abatê-lo, de comum acordo, como uma parede inclinada ou um muro prestes a ruir? Derrubá-lo de sua posição é seu único intento, e se comprazem na mentira; com a boca bendizem, mas no coração amaldiçoam. Só em Deus descansa, minha alma, porque dele me vem a esperança. Só ele é minha rocha de salvação e meu protetor: não vacilarei. De Deus depende minha salvação e glória; Deus é minha rocha firme, meu refúgio. Confia nele, ó povo, todo o tempo, desafoga diante dele o coração! Deus é nosso refúgio. Os filhos dos homens não são mais que um sopro, e as pessoas importantes, mera aparência. Todos juntos, na balança, pesariam menos que um sopro. Não confieis na extorsão nem vos façais ilusões com o roubo! Ainda que cresçam vossas riquezas, não lhes deis o coração! Uma coisa Deus disse, e duas eu ouvi: Que o poder vem de Deus, de ti, Senhor, a misericórdia; e que pagas a cada um, segundo suas obras”. (Sl 62, 2-13)

 Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.

Compartilhar

Coração de Sião - Novembro de 2012

| Imprimir | PDF 

QUAL O TEMPO DE NOSSA VIDA?

 

Qual o tempo de nossa vida? Não sabemos, e Jesus nos diz: “Quanto ao último dia e a hora, ninguém sabe, quando será, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai. Ficai de sobreaviso e vigiai, porque não sabeis quando será o momento”.(cf. Mc 13, 32-33)

Dizem-nos que precisamos aceitar Jesus. Esta afirmação precisa de uma reformulação. Não basta aceitar Jesus se não aceitamos Sua vontade para nossa existência terrena. Ele nos diz: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas quem perder a sua vida por amor de mim, há de encontrá-la. O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro se vier a se prejudicar? Ou, o que se pode dar em troca da própria vida? Porque o Filho do homem há de vir na glória do Pai, com os anjos, e então dará a cada um conforme as suas obras.”. (Mt, 16, 24-27)

O que adianta aceitar Jesus e continuarmos com interesses contrários aos Dele – “O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, se vier a se prejudicar?”

O apóstolo Pedro negou Jesus por não concordar com a forma de Suas propostas para a salvação da humanidade, assim como hoje muitos que dizem que O aceitam, mas na realidade vivem de forma contrária ou fazendo promessas de prosperidade em Seu nome, o que contraria as Suas Palavras. Vejam este mesmo Pedro, após a ascensão de Jesus, cheio do Espírito Santo faz a sua primeira pregação que converte mais ou menos cinco mil homens, e ainda em nome de Jesus cura “um homem coxo de nascença, que todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. Ao ver Pedro e João entrando no Templo, pediu deles uma esmola. Pedro fixou nele os olhos junto com João e lhe disse: ‘Olha para nós’. Ele os olhou com atenção, esperando receber alguma coisa. Pedro, porém, disse: ‘Não tenho nem ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou: Em nome de Jesus Cristo Nazareno põe-te a caminhar!’. E, pegando-o pela mão direita, o levantou. Imediatamente se lhe firmaram os pés e os tornozelos. De um salto se pôs de pé e andava. Entrou com eles no Templo, caminhando, saltando e louvando a Deus. Todo o povo o viu andar e louvar a Deus. Reconheceram ser o coxo que se sentava para mendigar à Porta Formosa do Templo, e se encheram de espanto e pasmo pelo que lhe tinha acontecido”. (cf. At 3,2-10)

Celebramos em memória dos fiéis defuntos (finados), porque a Bíblia ensina que é santo e salutar o pensamento e a prática de rezar pelos mortos. E por isso nos apresenta o Apóstolo São Paulo, realizando essa salutar prática: "Que o Senhor lhe conceda a graça de obter misericórdia do Senhor naquele dia". (2ª Tm 1, 18).

Os católicos rezam pelos mortos porque, com a Bíblia e toda a Tradição, desde os tempos apostólicos, crêem na existência do Purgatório, ou seja, lugar de purificação em que as almas dos justos, que não se santificaram suficientemente neste mundo, hão de completar a sua purificação, “por intervenção do fogo”, para serem admitidas no Céu, “onde nada de impuro entrará” (Apocalipse 21,27). É, pois, o lugar em que as almas dos que morrem na amizade de Deus, isto é, em estado de graça - mas com alguma dívida por culpas leves, ou por culpas graves já perdoadas sem a devida expiação - se purificam inteiramente para entrar no Céu, a visão e posse de Deus. Ali gozarão para sempre da sua perfeita felicidade na glória celeste. Agora só a alma. E depois da ressurreição da carne, unida ao próprio corpo.

Fonte – bíblia Vozes - http://www.catequisar.com.br


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês temos várias intenções:

Pelo ano da fé, convocado e proclamado pelo Santo Padre o Papa Bento XVI, com início no dia 11 de outubro de 2012. Devemos então intensificar as nossas orações, em favor da nossa fé e pedindo pelos cristãos do mundo inteiro.

 Neste mês de modo especial, peçamos em favor de nossos parentes e amigos falecidos, para que eles possam estar diante de Deus, contemplar Sua face e gozar de eterna felicidade.

É bom lembrar que o fiel que visitar devotamente um cemitério e rezar, mesmo em espírito, pelos defuntos, concede-se indulgência aplicável somente às almas do purgatório. Será concedida indulgência plenária, entre os dias 1º a 8 de novembro; nos outros dias do ano a indulgência será parcial. 

Para lucrar a indulgência plenária em favor de uma alma do purgatório, além da repulsa de todo o afeto a qualquer pecado mesmo que venial, requerem-se além da execução da obra, o cumprimento das três condições seguintes: confissão sacramental, comunhão eucarística e oração nas intenções do Santo Padre o Papa Bento XVI.

Não esqueçamos a Jornada Mundial da Juventude, por sua preparação, e realização.

E por nosso bispo eleito, Dom Gregório Paixão.  

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!

 

REZEMOS 

Só em Deus minha alma descansa, dele me vem a salvação. Só ele é minha rocha e salvação e meu baluarte: jamais vacilarei. Até quando vos lançareis sobre um homem para abatê-lo, de comum acordo, como uma parede inclinada ou um muro prestes a ruir? Derrubá-lo de sua posição é seu único intento, e se comprazem na mentira; com a boca bendizem, mas no coração amaldiçoam. Só em Deus descansa, minha alma, porque dele me vem a esperança. Só ele é minha rocha de salvação e meu baluarte: não vacilarei. De Deus depende minha salvação e glória; Deus é minha rocha firme, meu refúgio. Confia nele, ó povo, todo o tempo, desafoga diante dele o coração! Deus é nosso refúgio.  Os filhos dos homens não são mais que um sopro, e as pessoas importantes, mera aparência. Todos juntos, na balança, pesariam menos que um sopro. Não confieis na extorsão nem vos façais ilusões com o roubo! Ainda que cresçam vossas riquezas, não lhes deis o coração! Uma coisa Deus disse, e duas eu ouvi: Que o poder vem de Deus, de ti, Senhor, a misericórdia; e que pagas a cada um, segundo suas obras. (Sl 62, 2-13)

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2019

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.