Notícias

Acordo Estados Unidos - Cuba pode inspirar outros líderes ao diálogo, diz Cardeal Parolin

Imprimir PDF

Cardeal Pietro Parolin. Foto: Flickr UK In Holy See (CC-BY-NC-2.0)

 

Vaticano, 19 Dez. 14 / 09:41 am (ACI/EWTN Noticias).- O Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, comentou sobre o acordo feito entre os Estados Unidos e Cuba para o restabelecimento das relações diplomáticas e reconheceu que o papel do Papa Francisco foi crucial promovendo a “cultura do encontro” entre as partes.

Também observou que a diplomacia eclesial, com o Santo Padre, trabalha pela paz, pela luta contra a pobreza e pela “construção de pontes”.

Em uma entrevista concedida à Rádio Vaticano, o Cardeal recordou o compromisso de longa data da Igreja na disputa entre os Estados Unidos e Cuba pelo embargo comercial, econômico e financeiro que a ilha enfrenta desde 1960.

O Cardeal Parolin também elogiou a iniciativa do Papa de escrever cartas aos presidentes Obama e Castro. Disse que foi a “maneira correta” para superar a distância e aproximar das partes. A seguir a entrevista com o Cardeal a Rádio Vaticano.

 

A cultura do encontro tem aqui seu resultado mais importante?

- Acredito que sim. O Papa disse, em várias ocasiões, algo que eu gosto de repetir: onde há divergências é preciso aplicar o método do diálogo, e se houver mais dificuldades, tem que haver mais diálogo. E se este diálogo for sincero, embora haja diferenças, levará sempre as pessoas a se encontrar e a colaborar, não obstante as diversidades. Acho que isso é um exemplo muito importante desta “cultura do encontro” à qual o Papa convida constantemente.

 

Qual é o compromisso diplomático da Santa Sé e qual papel teve nesta negociação?

- A Santa Sé segue o que o Papa definiu em seu primeiro discurso ao Corpo Diplomático, depois de sua eleição. Ele recordava três pontos: a paz, que sempre foi uma característica fundamental da ação diplomática da Santa Sé; a luta contra a pobreza; e construir pontes.

Neste caso, este "construir pontes" se expressa através da facilitação do diálogo entre as duas partes. A Santa Sé sempre utilizou seus bons intermediários para que as duas partes pudessem se encontrar e chegar a esta conclusão feliz.

 

Cardeal, o senhor conhece muito bem aquelas regiões americanas… Será que as novas relações entre EUA e Cuba poderão influenciar positivamente a área latino-americana?

- Eu acredito e espero. Acredito, porque um passo desta grandeza, certamente, terá reflexos positivos também em toda a região latino-americana; eu espero, porque há certas situações que precisam ser melhoradas e solucionadas. Mas, gostaria de ressaltar um aspecto importante nestas novas relações: a boa vontade e a coragem dos dois líderes. Esta dose de grande coragem, que levou os dois países a chegar a esta conclusão, poderá inspirar outros líderes a trilharem o mesmo caminho do diálogo e do encontro.

 

 

E em relação à Igreja em Cuba?

- Ouvi dizer que os sinos tocaram em Cuba. Isto quer dizer também que a Igreja participou com júbilo deste acontecimento histórico. Acho que este será um passo ulterior que ajudará a Igreja a desempenhar melhor sua missão na sociedade cubana, para a construção de uma realidade cada vez mais solidária e de unidade.

Devemos, realmente, agradecer a Deus por este passo tão importante. Este é um bom sinal e uma ótima notícia, entre as tantas negativas no panorama mundial de hoje. Isso nos diz que o entendimento é possível, que é possível trabalhar juntos e encontrar caminhos de saída às dificuldades que nos separam.

 


Fonte – ACI Digital - Etiquetas: Estados Unidos, Cuba, Diplomacia vaticana

 

 

Compartilhar

Bispos dominicanos: Rejeitamos toda concessão a qualquer tipo de aborto

Imprimir PDF

 Foto referencial Flickr Raphael Lopes Bernardino (CC-BY-NC-SA-2.0)

SANTO DOMINGO, 19 Dez. 14 / 09:43 (ACI/EWTN Noticias).- A Conferência Episcopal da República Dominicana rejeitou nesta quinta-feira a intenção da Câmara dos Deputados de despenalizar através do Código Penal o aborto por estupro, má formação ou incesto –proposto pelo presidente Danilo Medina –, e que seria debatido a partir de fevereiro de 2015.

Em um comunicado divulgado ontem, os bispos assinalaram que a Igreja “nunca deixará de proclamar a sua convicção de que a vida é inviolável desde a sua concepção até a morte natural como estabelece claramente a nossa Constituição Dominicana”.

Nesse sentido, “rejeitamos energicamente toda concessão a qualquer tipo de aborto, tal como manifestamos ao longo destes dias através de diferentes meios e de diversas formas”.

Entre os artigos modificados está o 110, que estabelece que "a interrupção da gravidez praticada por profissionais médicos especializados em estabelecimentos de saúde, públicos ou privados, não é punível caso se esgotem todos os meios científicos e técnicos disponíveis para salvar as duas vidas, até onde seja possível".

Entretanto, acrescenta que "a interrupção da gravidez por causa de estupro, incesto, ou onde há má formação do embrião incompatível com a vida clinicamente comprovada, estarão sujeitos aos requisitos e protocolos que se estabeleçam mediante lei especial".

Diante disso, os bispos indicaram que o artigo 110 “acolhe a nossa posição já que respeita o princípio de esgotar todos os recursos disponíveis para salvar a vida da mãe e da criatura. O possível efeito negativo da interrupção da gravidez seria uma consequência indireta”.

“Entretanto, rejeitamos energicamente o parágrafo agregado ao artigo 110 já que a Igreja defende a vida em toda circunstância. De jeito nenhum, podemos aceitar a pena de morte a uma criatura concebida, ainda que tenha má formação ou proceda de um estupro ou incesto”, expressaram.

Faz uns dias, cerca de 3.500 pessoas, entre católicos e evangélicos, congregaram-se em frente ao Congresso para protestar contra a despenalização do aborto, este ato ocorreu depois que o presidente Medina devolveu ao Parlamento a lei do novo Código Penal Dominicano pedindo que se especifiquem exceções que permitam o aborto no dia 28 de novembro.

Nesse contexto, os bispos publicaram em 3 de dezembro um comunicado pedindo que os legisladores ratifiquem o Código Penal “tal qual foi aprovado por ambas as Câmaras”, e que protege a vida do nascituro. 

 

Fonte – ACI Digital - Etiquetas: Aborto, República Dominicana

 

 

Compartilhar

Papa Francisco: O verdadeiro cristão não tem medo de “sujar as mãos” com os pecadores

Imprimir PDF

Papa Francisco na Missa da Casa Santa Marta / Foto: L'Osservatore Romano

Vaticano, 06 Nov. 14 / 02:11 pm (ACI/EWTN Noticias).- O verdadeiro cristão arrisca sua vida, sua fama e sua comodidade para que ninguém se perca, afirmou nesta quinta-feira o Papa Francisco durante a Missa na Casa Santa Marta, de onde chamou os sacerdotes e fiéis a não terem medo “de sujar as mãos” para ir ao encontro dos pecadores, e a não serem como os fariseus e escribas que para evitar o escândalo ficam “na metade do caminho”.

“O verdadeiro pastor, o verdadeiro cristão tem este zelo interior: que ninguém se perca. E por isso não tem medo de sujar as mãos. Não tem medo. Vai aonde tem que ir. Arrisca sua vida, sua fama, arrisca perder a sua comodidade, o seu status, perder também na carreira eclesiástica, mas é bom pastor. Também os cristãos devem ser assim”, assinalou o Santo Padre durante a sua homilia onde abordou a parábola da ovelha e a moeda perdidas.

Francisco recordou que os fariseus e escribas se escandalizaram porque Jesus “acolhe os pecadores e come com eles”.

“Era um verdadeiro escândalo naquele tempo, para estas pessoas”. “Imaginemos se naquele tempo tivessem existido os jornais”, expressou o Papa.

“Mas Jesus veio para isso: para ir buscar aqueles que se afastaram do Senhor”, afirmou o Papa, e indicou que ambas as parábolas “nos mostram como é o coração de Deus”, pois “Deus não para, não vai só até certo ponto, mas vai até o final, no limite; não para no meio do caminho da salvação. Não diz: ‘Eu fiz tudo, agora o problema é deles’. Ele vai, sai”.

“Os fariseus e os escribas, por sua vez, param na metade do caminho. Eles se importavam somente que o balanço das perdas e ganhos fosse mais ou menos favorável, e ficavam tranquilos. Isto não entrava na cabeça de Deus, Deus não é um negociante, Deus é Pai e salva até o fim, até o limite. O amor de Deus é isso”, assinalou o Papa.

“É triste o pastor que abre a porta da Igreja e fica ali, esperando. É triste o cristão que não sente dentro, no coração, a necessidade de contar aos outros que o Senhor é bom. Mas quanta perversão existe no coração daqueles que se creem justos, como os escribas e os fariseus... É, eles não queriam sujar suas mãos com os pecadores. Lembram-se do que pensavam? ‘Se ele fosse profeta, saberia que ela é uma pecadora’. Usavam as pessoas e depois as desprezavam”, denunciou Francisco.

Por isso, advertiu que “ser um pastor ‘pela metade’ é uma derrota. Um pastor deve ter o coração de Deus, ir até o limite, porque não quer que ninguém se perca”.

“É tão fácil condenar os outros, como faziam os publicanos, os pecadores. É tão fácil, mas não é cristão, eh? Não é comportamento de filhos de Deus. O Filho de Deus vai ao limite, dá a vida pelo outros, como fez Jesus. Não pode ficar tranquilo, protegendo si mesmo: a sua comodidade, a sua fama, a sua tranquilidade. Lembrem-se disso: que jamais existam pastores e cristãos que ficam no meio do caminho!", expressou.

O Papa reiterou que “o bom pastor, o bom cristão sai, está sempre em saída: está em saída de si mesmo, em saída rumo a Deus, na oração, na adoração; está em saída rumo aos outros para levar a mensagem de salvação”.

“Esses escribas, fariseus não sabiam o que significa carregar a ovelha sobre os ombros, com ternura, e reconduzi-la a seu lugar, junto às outras. Essas pessoas não sabiam o que é alegria. O cristão e o pastor do meio do caminho talvez conheçam a diversão, a tranquilidade, mas não a verdadeira alegria que vem de Deus, que vem para salvar! É belo não sentir medo de quem fala mal de nós para encontrar os irmãos e irmãs que estão distantes do Senhor. Peçamos esta graça para cada um de nós e para a nossa Mãe, a Santa Igreja”, concluiu.

 

 

fonte - ACI Digital - Etiquetas: Homilia Papa FranciscoMissa Casa Santa Marta

Compartilhar

Papa Francisco venerará o Santo Sudário de Turim

Imprimir PDF

Santo Sudário. Foto: Wikipedia / Koppchen (CC-BY-SA-3.0)

Vaticano, 06 Nov. 14 / 01:36 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco anunciou no final de sua Audiência Geral de ontem que visitará Turim (Itália) no dia 21 de junho de 2015 para venerar o Santo Sudário e honrar São João Bosco por ocasião do bicentenário do seu nascimento.

A visita do Papa a Turim acontecerá no contexto da próxima exposição do Sudário de 19 de abril a 24 de junho que terá como tema “O Amor maior”.

A exposição foi apresentada ontem no Escritório de Imprensa da Santa Sé pelo Arcebispo de Turim, Dom Cesare Nosiglia. Foram apresentadas as iniciativas para a celebração dos 200 anos do nascimento de São João Bosco e se recordou com especial interesse a visita que o Papa Francisco realizará a esta cidade.

Será a terceira exposição do milênio caracterizada por dois temas: o mundo dos jovens e dos que sofrem. E justamente para eles, o Papa Francisco permitiu a exposição solene, que se junta com o Jubileu pelo segundo centenário do nascimento de São João Bosco.

Assim como ocorreu nas exposições anteriores, os doentes que visitem o Santo Sudário terão uma atenção especial. A Pastoral da Saúde da diocese de Turim coloca duas estruturas de acolhida à disposição para eles e para seus acompanhantes. Graças à colaboração de mais de 3500 voluntários, serão celebrados momentos de oração, e se realizará um serviço de confissão em diferentes idiomas em locais próximos à zona da Catedral.

A visita será gratuita embora a reserva seja obrigatória para uma melhor coordenação do fluxo de peregrinos e deverá realizar-se no site da Internet  www.sindone.org

Fonte – ACI Digital - Etiquetas: Santo SudárioItália

 

 

Compartilhar

Vaticano felicita Malala, a jovem Paquistanesa ganhadora do Nobel da Paz

Imprimir PDF

ROMA, 10 Out. 14 / 01:54 pm (ACI).- “Felicidades. Malala Yousazfai ganha o Prêmio Nobel da paz 2014”, escreveu em sua conta do twitter o Conselho Pontifício das Comunicações Sociais no Vaticano, depois do anúncio do prêmio para o qual estavam nomeadas mais de 270 pessoas, entre elas também estava o Papa Francisco.

O comitê norueguês anunciou nesta sexta-feira que concedeu à adolescente, a pessoa mais jovem em recebê-lo, e também ao ativista índio Kailash Satyarthi o Prêmio Nobel da Paz por sua luta a favor da educação infantil.

Malala Yousafzai, de 17 anos, luta faz alguns anos pelo direito das meninas à educação e "demonstrou com o seu exemplo que as crianças e jovens podem lutar para melhorar sua situação pessoal", destacou o Comitê norueguês.

"Ela o fez nas condições mais perigosas. Através da sua luta heroica se converteu em uma importante porta-voz para os direitos das meninas à educação", adicionou.

Faz dois anos, Malala sobreviveu a uma tentativa de assassinato dos talibãs em represália por sua luta pela educação das meninas e foi transferida a um hospital do Reino Unido, onde se recuperou. No ano passado já foi uma das candidatas favoritas ao prêmio e agora se converteu na pessoa mais jovem em recebê-lo.

Em relação a Satyarthi, o Comitê Nobel destacou que, "mostrando grande valor pessoal e mantendo a tradição de Gandhi, encabeçou várias formas famosas de protesto, todas pacíficas, centradas na grave exploração das crianças para a obtenção de benefícios financeiros".

Satyarthi é o fundador da organização Bachpan Bachao Andolan (Movimento para a libertação da infância), que resgatou milhares de crianças da escravidão e da servidão por dívidas. Em várias ocasiões denunciou ter sofrido graves e brutais agressões corporais por causa do seu trabalho.

 

Fonte - www.acidigital.com

Compartilhar

Conflito em Gaza deixa 400 mil crianças e adolescentes com problemas psicológicos, denuncia Cáritas Jerusalém

Imprimir PDF

Gaza_AIN

O Site ACI informou nesta segunda-feira (08/09/14) que a Cáritas Jerusalém denunciou a violência, que durante 50 dias feriu a população da franja da Gaza, devido aos bombardeios israelenses e os enfrentamentos com o Hamas, deixando não só um alto saldo de mortos, como também cerca de 400.000 meninos e adolescentes com necessidade de ajuda psicológica.

“Os meninos e meninas representam a parte da população que mais sofre as consequências do conflito armado. A maioria experimenta a separação de suas famílias e desenvolve uma visão pessimista da vida”, revelaram fontes desta instituição caritativa da Igreja.

Segundo a informação circulada neste 4 de setembro pela agência vaticana Fides, a Cáritas Jerusalém assinalou que a ajuda psicológica a estes menores representa um de seus principais campos de ação, dentro dos trabalhos que realiza a favor da população da Gaza.

Para isso, desde o dia 22 de agosto a equipe psicológica trabalha –junto a numerosos voluntários-, nos diversos distritos e edifícios onde se encontram os refugiados. Do mesmo modo, organizaram atividades que possam ajudar aos meninos e meninas a soltar –de maneira não destrutiva-, a ira e o sentido de opressão acumulados durante o conflito.

Por sua parte, a Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA) informou que nenhum dos 241.000 alunos que assistem a suas escolas poderá começar o ano de estudos a tempo devido à destruição pelo conflito, que também ocasionou a morte de 2.100 pessoas, das quais 500 eram menores de idade.

Outra consequência foi a destruição de 18.000 moradias, deixando sem lar mais de 108.000 pessoas, assinalou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários.
Além disso, muitas áreas de Gaza carecem de eletricidade durante 18 horas diárias e só 10 por cento da população recebe água diariamente.

“Os meninos e meninas representam a parte da população que mais sofre as consequências do conflito armado. A maioria experimenta a separação de suas famílias e desenvolve uma visão pessimista da vida”, revelaram fontes desta instituição caritativa da Igreja.

Segundo a informação circulada neste 4 de setembro pela agência vaticana Fides, a Cáritas Jerusalém assinalou que a ajuda psicológica a estes menores representa um de seus principais campos de ação, dentro dos trabalhos que realiza a favor da população da Gaza.

Para isso, desde o dia 22 de agosto a equipe psicológica trabalha –junto a numerosos voluntários-, nos diversos distritos e edifícios onde se encontram os refugiados. Do mesmo modo, organizaram atividades que possam ajudar aos meninos e meninas a soltar –de maneira não destrutiva-, a ira e o sentido de opressão acumulados durante o conflito.

Por sua parte, a Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA) informou que nenhum dos 241.000 alunos que assistem a suas escolas poderá começar o ano de estudos a tempo devido à destruição pelo conflito, que também ocasionou a morte de 2.100 pessoas, das quais 500 eram menores de idade.

Outra consequência foi a destruição de 18.000 moradias, deixando sem lar mais de 108.000 pessoas, assinalou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários.
Além disso, muitas áreas de Gaza carecem de eletricidade durante 18 horas diárias e só 10 por cento da população recebe água diariamente.

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/conflito-em-gaza-deixa-400-mil-criancas-e-adolescentes-com-problemas-psicologicos-denuncia-caritas-jerusalem-89345/

Compartilhar

Governo da Venezuela manipula o Pai-Nosso e lança oração a Hugo Chávez

Imprimir PDF

Bandiera-Venezuela-3

“Chávez nosso que estais no céu… santificado seja o vosso nome”, é parte da “oração do delegado” –versão chavista do Pai-Nosso- que foi lançada ontem pelo Governo venezuelano durante um curso com os membros do partido oficialista para pedir “a intercessão” do falecido ex-presidente; assim informou o site ACI nesta terça-feira (02/09/14).

O fato ocorreu durante o III Congresso do Partido Socialista Unido da Venezuela (PUSV) e o I curso para o desenho ideológico, realizado em um teatro de Caracas onde esteve presente o presidente Nicolás Maduro. A oração foi lida pela delegada María Estrella Uribe, representante pela região de Táchira.

A manipulação do Pai-Nosso recebeu o rechaço do vice-presidente da Conferência Episcopal Venezuelana (CEV), Dom Roberto Lückert. Em declarações à União Radio assinalou que se trata de “uma paráfrase do Pai-Nosso em uma versão tão ofensiva” que é “um abuso, uma manifestação de mediocridade e falta de criatividade para fazer uma oração”.

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/governo-da-venezuela-manipula-o-pai-nosso-e-lanca-oracao-a-hugo-chavez-62686/

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2017

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.