Notícias

Projeto levará grandes nomes da música à basílicas da Europa

Imprimir PDF

Sagrada Família de Barcelona será o palco da primeira apresentação – AP - 16/05/2015

Cidade do Vaticano (RV) – Foi apresentado, na manhã deste sábado (16/5), na Sala de Imprensa da Santa Sé, o projeto intitulado “O grande mistério: o Evangelho da Família, escola de humanidade para os nossos tempos”. Grandes nomes da música italiana e mundial se apresentarão nas maiores basílicas da Europa no contexto da evangelização das famílias.

A coletiva foi presidida pelo Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Dom Vincenzo Paglia, pelo famoso maestro e cantor lírico italiano, Andrea Bocelli, e pelo Cardeal Lluís Martínez Sistach, arcebispo de Barcelona, primeira cidade que hospedará o evento na Basílica da Sagrada Família.

A Sagrada Família

Esta Basílica, destacou o Arcebispo Vincenzo Paglia, tem uma dimensão universal. Ela é visitada por mais de 3 milhões de peregrinos, provenientes dos cinco Continentes. Além da sua beleza singular, a Basílica de Barcelona, dedicada à Família, é rica de simbologia bíblica, teológica e litúrgica.

Neste ano, dedicado à reflexão sobre a família, – em vista do Dia Mundial da Família, em Filadélfia (EUA), de 22 a 25 de setembro próximo e do próximo Sínodo sobre a Família, – a iniciativa do Pontifício Conselho para a Família consiste principalmente em apresentar o “Evangelho da Família”.

Abrangência

Mediante a beleza, a música e o pensamento, disse Dom Vincenzo Paglia, queremos aprofundar a transcendência do mistério da família cristã, que consiste em uma íntima comunidade de vida e de amor entre os cônjuges, os pais e os filhos e dos irmãos entre si, no seio de uma família mais abrangente, no âmbito da sociedade e da Igreja.

No Santuário universal da Basílica da Sagrada Família, em Barcelona, concluiu o arcebispo, daremos início a esta iniciativa, com a especial participação do conhecido tenor, Andrea Bocelli, e com a proclamação do Evangelho da Família, pelo bem das pessoas, das famílias, da sociedade e toda a Igreja. (MT)

 

Fonte – Rádio Vaticano - http://br.radiovaticana.va/news/2015/05/16/apresenta%C3%A7%C3%A3o_do_projeto_o_grande_mist%C3%A9rio_a_fam%C3%ADlia/1144568

 



Compartilhar

O testemunho de um ex-maçom

Imprimir PDF

 

O site ACIDigital publicou recentemente uma entrevista com Serge Abad-Gallardo, que foi membro da maçonaria durante mais de 25 anos e se converteu. Inclusive, Serge escreveu um livro intitulado: “Por que deixei de ser maçom”, relatando como se deu este seu processo de conversão.

Confira a matéria na íntegra:

Um ex-maçom explica detalhadamente a relação entre o demônio e a maçonaria

MADRI, 04 Mai. 15 / 07:14 pm (ACI).- Serge Abad-Gallardo foi membro da maçonaria durante mais de 25 anos, chegou a ser mestre de 14º grau. Depois de uma peregrinação ao Santuário de Lourdes tudo mudou e começou seu caminho de conversão, que logo o levou a escrever um livro. Na entrevista ao grupo ACI ele explica também a relação que existe entre o demônio e a organização.

“Fiz parte da maçonaria e pensei que tinha que escrevê-lo primeiro para me entender mais e depois para contar às pessoas. Cada pessoa tem a liberdade para fazer o que ela quiser, mas na maçonaria não se fala francamente”, relata o autor do livro “Por que deixei de ser maçom”, editado apenas em espanhol.

“Através do meu livro quero demonstrar que o catolicismo e a maçonaria não podem ser praticados juntos”, explica o ex-maçom.

Serge é arquiteto e entrou na loja maçônica através um amigo, tentando encontrar nela as respostas às perguntas mais profundas do homem.

“Eu não pensava deixar a maçonaria. Tive alguns problemas sérios na minha vida e me perguntava qual a resposta que a maçonaria poderia me dar a esses problemas, porém não encontrei nenhuma resposta. Entretanto no caminho com Cristo sim as encontrei”, afirmou.

Abad-Gallardo contou que o caminho para deixar a Maçonaria foi difícil: “durante um ano ou ano e meio estava convencido que tinha encontrado a fé e não sabia se deveria permanecer na maçonaria, esse podia ser um lugar onde falaria aos maçons do Evangelho. Mas conversando com um sacerdote, ele me explicou que não adianta tentar falar-lhes da Palavra de Deus, porque eles não estavam dispostos a escutar”.

Após os repetidos comentários anticlericais de vários altos graus da Maçonaria, Serge não podia ficar calado e defendia a Igreja. Além das críticas à Igreja e ao Papa descobriu que no ritual do início do ano maçônico “se dava glória a Lúcifer”. “Eles não dizem que se trata do diabo, mas usam a etimologia da palavra e dizem que é ‘o portador de luz’”, explica o espanhol ao grupo ACI.

Algo parecido também ocorreu quando viu que entre os altos graus da maçonaria elogiam a serpente do livro do Gênesis, a mesma que tentou a Adão e Eva cometerem o pecado original. “Dizem que a serpente trouxe a luz e o conhecimento que Deus não queria conceder ao homem. Isto é uma perversão muito grave”, declara.

Conforme afirma Serge: “entre a maçonaria e o demônio há uma relação, mas não é tão direta. A maioria dos maçons não percebem a influência do demônio nos rituais maçônicos. Eles pensam, com a melhor das intenções, que estão trabalhando pela ‘Felicidade da Humanidade’ ou pelo ‘Progresso da Humanidade’, isto é, “não existe um culto abertamente ao diabo, mas elogiam com palavras e devemos perceber, o quanto é perigoso para um católico estar dentro de uma sociedade assim”.

O ex-maçom relata: “embora poucos mações saibam claramente da relação que a maçonaria tem com o demônio, cumprem estes ritos sabendo perfeitamente o que estão fazendo. Mas, segundo minha experiência, a maioria deles não percebem”, “não devemos esquecer que o demônio é o ‘pai da mentira'”.

Conforme explica, esta relação indireta com o demônio se manifesta de muitas maneiras, mas todas confluem em afastar as pessoas que entram na maçonaria da fé e especialmente da Igreja Católica. “A maçonaria tenta convencer que a fé e a Igreja são superstições e obscurantismo”, recordou Serge.

Nesse sentido Serge Abad-Gallardo também explica: “o ritual maçônico influi na mente, no subconsciente e na alma das pessoas. O maçom olha para os símbolos e os rituais maçônicos como fossem verdades profundas e esotéricas”.

Apesar de que “na maçonaria não existam ritos diretamente satânicos, estas cerimônias constituem uma porta de entrada para o demônio”.

Uma das palavras secretas e sagradas dos mestres maçons, conforme explica Serge, é “Tubalcaïn”, traduzida como “descendente direto de Caim”. “Já sabemos o que ele, Caim, fez. Ele foi inspirado pelo demônio a matar o seu irmão por ciúmes e ele é o modelo para os mestres maçons”, afirma Serge.

“Os rituais não mudaram, somente tiveram pequenas mudanças. De fato, nos Altos Graus, é onde se encontra as referências mais esotéricas e ocultas, por volta do ano 1800, 70 anos depois que nasceu a Maçonaria em 1717”.

Nessa relação entre a maçonaria e o satanismo, Serge indica ao grupo ACI: “a maioria dos maçons estão iludidos por palavras altruístas e mentirosas e por isso não percebem a relação entre ambos”.

De fato, explica que numa das tábuas maçônicas, isto é, um trabalho escrito e apresentado por um maçom, é explicado que “quem fundou o satanismo moderno foi o americano Anton Szantor Lavey, um irmão (maçom) que fundou em 1966 a Igreja de Satanás que atualmente é a principal organização satânica e de modelo para as demais”.

“A maçonaria afasta de Cristo. Porque embora fale-se sobre Jesus Cristo no 18º grau dos Altos Graus maçônicos, não há nada a ver com o Jesus Cristo da Igreja Católica, pois o mencionam como um sábio ou filósofo qualquer”, insiste.

“Existem maçons que vão ainda mais longe nesta blasfêmia, pois excluem a divindade a Cristo e dizem que ele foi o primeiro maçom, um homem iniciado. Explicam que José e Jesus foram carpinteiros. E que a palavra ‘carpinteiro’ é a etimologia da palavra ‘arquiteto’ e todos os maçons, especialmente nos Altos Graus são Grandes Arquitetos”, afirmou Serge.

Fazendo menção ao tema: “na maçonaria acreditam no ‘Grande arquiteto do Universo’, querem que acreditemos que este é o mesmo Deus do catolicismo, mas não é verdade. Às vezes conseguem enganar os católicos dizendo que ser maçom e ser católico é compatível por esta referência a Cristo”.

Há dois anos Serge largou totalmente a maçonaria, mas afirma que o controle que esta organização tem sobre a sociedade francesa é crescente. “No meu primeiro trabalho o prefeito era maçom, mas ninguém sabia, o diretor do seu gabinete, o encarregado de urbanismo e eu também éramos maçons, e outros dois arquitetos da prefeitura onde trabalhava”, recorda.

“Quando tentaram aprovar a última lei sobre a eutanásia, há um parágrafo que faz menção à ‘sedação profunda’ que é a mesma expressão que aparece numa tábua maçônica de 2004, onde mencionam este tema. Quer dizer, que as leis atuais na França estão sendo feitas nas lojas maçônicas, dez ou quinze anos antes de serem votadas”, conta ao grupo ACI.

Nesse sentido afirma que “na maçonaria não existe fraternidade, nem amizade, porque tudo são redes. Todos ambicionam o poder político, social e econômico”.

Por Blanca Ruiz

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/um-ex-macom-explica-detalhadamente-a-relacao-entre-o-demonio-e-a-maconaria-72504/

 

 

Compartilhar

Hillary Clinton declara abertamente uma guerra contra a religião

Imprimir PDF

 

A democrata afirma que o governo deve usar “recursos coercitivos para redefinir os dogmas”

 
 
 
 
 

“Os códigos culturais profundamente enraizados, as crenças religiosas e as fobias estruturais precisam mudar. Os governos devem empregar seus recursos coercitivos para redefinir os dogmas religiosos tradicionais”.

Esta declaração ditatorial foi feita pela candidata democrata à presidência dos Estados Unidos,  Hillary Clinton, durante uma conferência sobre feminismo no Lincoln Center de Manhattan, conforme publicado pelo jornal espanhol La Gaceta.

A candidata, que defende o reconhecimento do aborto como “um direito da mulher”, afirmou que as objeções de consciência fundamentadas em crenças religiosas estão por trás da discriminação de mulheres e homossexuais e, portanto, devem ser eliminadas. “Os direitos devem existir na prática, não só no papel. As leis têm de ser sustentadas com recursos reais”, disse Hillary.

Depois de defender a “saúde sexual e reprodutiva” (eufemismo para aborto) e o financiamento governamental de associações como a Planned Parenthood (a maior rede de clínicas abortistasdos Estados Unidos), Hillary Clinton criticou aqueles que “se erigem como líderes e preferem deixar a Planned Parenthood sem fundos”. Esta não é a primeira vez que a candidata democrata deixa clara a sua guerra particular contra a religião. Em 2011, durante uma conferência em Gênova, a então secretaria de Estado norte-americana declarou que um dos principais problemas sociais é oapelo a convicções religiosas para “limitar os direitos humanos do coletivo LGBT”.

Bill Donohue, representante da Liga Católica dos Estados Unidos, disse que nunca antes um candidato à presidência do país tinha declarado de forma pública e notória uma guerra contra a religião. “Candidatar-se à presidência dos Estados Unidos prometendo usar recursos públicos para acabar com as crenças religiosas é, provavelmente, o slogan progressista mais sincero da história”, ironizou Ed Morrissey no site HotAir.com. “Insinuar que uma nação construída sobre o pilar da liberdade religiosa vai empregar a força do Estado para mudar as práticas religiosas é uma declaração sem precedentes”, resumem os analistas.

 

Fonte  - http://www.aleteia.org/pt/politica/artigo/hillary-clinton-declara-abertamente-uma-guerra-contra-a-religiao-5825057083359232 = sources: ALETEIA

 

 

Compartilhar

Papa participa de inauguração da nova bandeira da Guarda Suíça

Imprimir PDF

Cidade do Vaticano (RV) - Realizou-se na tarde desta sexta-feira, no Vaticano – após a nomeação em 7 de fevereiro passado, do novo Comandante da Guarda Suíça, Cel. Christoph Graf –, a cerimônia de inauguração e bênção da nova Bandeira do Corpo.

Segundo informa o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, às 17h locais o Cardeal Secretário de Estado, Pietro Parolin, celebrou a missa  na Igreja do Campo-santo Teutônico, com a bênção da Bandeira.

Em seguida, no Quartel da Guarda, realizou-se o “Ato militar”, do qual – inesperadamente para a maior parte dos presentes – participou também o Papa Francisco.

Após ter ouvido o discurso do novo Comandante e retomando alguns pontos do mesmo, o Pontífice dirigiu algumas palavras aos presentes, expressando, com muita cordialidade, seus votos pelo serviço do novo Comandante, e com algumas palavras inspiradoras caracterizou o espírito desse serviço: o Comandante deve ser homem de unidade, homem de caridade, de amor e homem de humildade.

Fez votos de que o mesmo exercite o dom da paternidade para com seus guardas e que peça com a oração que o Espírito Santo semeie e faça crescer o amor e a união entre todos os membros da Corpo da Guarda Suíça.

O Papa Francisco concluiu recordando o lema do Corpo: “Mut und Demut”, “Coragem e Humildade”. Comandar evangelicamente significa servir. Ao término do breve discurso, o Santo Padre concedeu a sua bênção ao Comandante, ao Corpo da Guarda Suíça, aos familiares e aos convidados. Ouça clicando acima. (RL)


Fonte  – Rádio Vaticano - http://br.radiovaticana.va/news/2015/05/02/papa_participa_de_inaugura%C3%A7%C3%A3o_nova_bandeira_da_guarda_su%C3%AD%C3%A7a/1141348

Compartilhar

Neste domingo a Marcha Pela Vida vai apontar adoção como alternativa para o aborto

Imprimir PDF

 

 

RIO DE JANEIRO, 01 Mai. 15 / 04:26 pm (ACI).- A 3ª edição da "Marcha PelaVida" do Estado do Rio de Janeiro, que acontecerá neste domingo, dia 3 de maio, na Praia de Copacabana, vai incentivar a adoção como alternativa aoaborto. O evento, realizado pelo Movimento Nacional da Cidadania pela Vida - Brasil Sem Aborto pede a aprovação do projeto de lei n°478/2007, conhecido como "Estatuto do Nascituro", que tramita atualmente na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, tendo já sido aprovado em duas comissões. O relatório pode ser apresentado e votado a qualquer momento.

“Queremos pedir que o processo de adoção seja facilitado. Hoje a burocracia é causa de desânimo para as famílias que desejam adotar. Convidamos a todos para que possam participar dessa grande manifestação. Desejamos uma cultura de paz e de vida que comece dentro do ventre das mulheres, para que as mães possam gerar seus filhos. Propague a cultura da vida, venha com a sua caravana, comunidade, amigos e família. Precisamos dar um basta a essa cultura de morte. A lei diz que o aborto é crime. Lutamos para salvar essas crianças inocentes”, incentivou a coordenadora estadual do movimento, Maria José da Silva.

A Marcha também apóia as PECs 164/2012 da Câmara e 29/2015 do Senado, que visam acrescentar no artigo 5º da Constituição Brasileira a expressão “desde a concepção” ao termo “inviolabilidade do direito à vida”.

Segundo a presidente nacional do movimento, Lenise Garcia, é preciso também acompanhar a tramitação da reforma do Código Penal, no Senado, pois alguns artigos do novo projeto querem permitir o aborto em qualquer circunstância.

“A vida é o primeiro dos direitos da pessoa humana, pois sem ele não há nenhum outro. O nascituro não pode defender-se a si mesmo, precisa de pessoas de bem que o defendam. Além disso, a mulher que aborta sofre consequências, carregando o peso de ter matado o filho. O Brasil sofre grande pressão internacional para legalizar o aborto, daí a importância de aprofundarmos no tema e manifestarmos a nossa opinião”, disse Lenise.

O evento contará com a presença de representantes de segmentos da sociedade civil e de diversos líderes religiosos. A concentração será às 8h30, próximo ao Posto 5, em Copacabana, na altura da Rua Miguel Lemos e a marcha sairá às 9h em direção à Praça do Lido. A estação de Metrô mais próxima é a estação Cantagalo. Informações pelo

 

Fonte – ACI Digital - por Cláudia Brito de Albuquerque e Sá -  link: https://www.facebook.com/caminhadavidario?pnref=story

Etiquetas: marcha pela vida, Copacabana, adoção, Aborto

 

 

Compartilhar

Deputado norte-americano quer trocar estátua do beato Junípero Serra pela de uma astronauta lésbica no Capitólio

Imprimir PDF

 

VATICANO, 24 Abr. 15 / 05:37 pm (ACI/EWTN Noticias).- Um deputado americano abertamente homossexual pretende substituir a estátua do Frei Junípero Serra, missionário católico considerado o Fundador do Estado da Califórnia, pela estátua de Sally Ride, falecida astronauta e ativista gay, no Capitólio em Washington. A iniciativa se dá no contexto em que o Papa Francisco visitará a capital americana e canonizará Junípero Serra. Levantando a voz contra a proposta foi lançada uma campanha na internet pedindo salvar a estátua de Frei Serra.

O Capitólio dos Estados Unidos, onde se reúnem os deputados e senadores americanos, acolhe em seu hall de entrada 100 estátuas que recordam importantes figuras da história da nação. Entre elas a imagem do Frei Junípero Serra, missionário espanhol do século XVIII e evangelizador da atual Califórnia.

São João Paulo II beatificou Frei Junípero Serra no dia 25 de setembro de 1988. O Papa Francisco anunciou que ele será canonizado este ano, durante sua visita aos Estados Unidos.

A iniciativa de retirar a imagem do Beato é promovida pelo senador Ricardo Lara e foi aprovada pelo Senado da Califórnia, no último 13 de abril, com 22 votos a favor e 10 contra.

Entretanto, para que a proposta da mudança de imagens seja definitiva, o governador da Califórnia, Jerry Brown, e a assembleia do estado devem aprovar a votação.

Assim, cidadãos americanos lançaram a campanha “Salvemos Serra” que promove que os moradores do estado da Califórnia entrem em contato com seus legisladores para pedir-lhes que se contraponham à retirada da imagem do Beato Junípero Serra. A campanha teve também uma versão que permite que cidadãos de outros estados americanos e outros países se juntem aos californianos para impedir que a estátua do “Pai da Califórnia” seja banida do lugar onde são tomadas as decisões políticas dos EUA.

O tema toca de maneira particular os hispanos e os católicos, que se orgulham da figura do Beato espanhol como um dos grandes homens da história americana.

“Os hispanos nos Estados Unidos necessitamos seu apoio para que se mantenha a presença de nosso primeiro santo no Capitólio”, foi divulgado na página web da campanha www.salvemosaserra.com.

A campanha explica também que “Ricardo Lara é o primeiro político latino da Califórnia que reconheceu publicamente sua homossexualidade e que manifestou em diversas ocasiões seu desdém pela Igreja Católica”.

“Lara quer excluir a um futuro santo e personagem hispano do hall do Capitólio para substituí-lo pela primeira astronauta lésbica”.

Embora reconheçam que Sally Ride, a primeira mulher astronauta pode ser “um personagem admirável para muitos”, os iniciadores da campanha afirmam em contraposição que “de maneira alguma ela exerceu na Califórnia o papel que Frei Junípero Serra teve no estabelecimento do estado”

A Campanha se encontra atualmente no site em português da plataforma CitizenGo. Para assinar e divulgar, confira o link:

http://www.citizengo.org/pt-pt/21791-salvemos-o-frei-junipero-serra-primeiro-santo-hispanico-dos-eua

Fonte – ACI Dgital - Etiquetas: visita do Papa aos EUA, Ricardo Lara, Papa Francisco, Junípero Serra, Califórnia, Beato - http://www.acidigital.com/noticias/deputado-norte-americano-quer-trocar-estatua-do-beato-junipero-serra-pela-de-uma-astronauta-lesbica-no-capitolio-56722/

 

 

Compartilhar

Resultado da Eleição da CNBB

Imprimir PDF

 

Dom Sergio da Rocha, Arcebispo de Brasília, é eleito novo presidente da CNBB

O arcebispo de Brasília (DF), Dom Sérgio da Rocha, foi eleito na manhã desta segunda-feira (20), como presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O novo presidente foi escolhido ainda no primeiro escrutínio, após receber 215 votos, superando assim os 196 que correspondem aos dois terços necessários para a eleição.

 

foto: Arquidiocese de Maringá

O arcebispo de Salvador (BA) e primaz do Brasil, Dom Murilo Sebastião Krieger, foi eleito vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na tarde desta segunda-feira, 20 de abril, durante a 53ª Assembleia Geral da CNBB, em Aparecida (SP). O novo vice-presidente foi escolhido por maioria absoluta, no terceiro escrutínio, após receber 199 do total de 286 votos válidos.

Com o lema episcopal “Deus é amor” (Deus caritas est), dom Murilo é o 15º vice-presidente eleito em Assembleia Geral, para o quadriênio de 2011 a 2019. Durante a 49º Assembleia Geral da CNBB de 2011, foi eleito membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Campanha para a Evangelização da CNBB.

Dom Murilo é autor de dez livros publicados por editoras nacionais, entre eles destaca-se sua última obra “Anunciai a Boa Nova” e “Alegre-se: Deus é amor”.

Dom Murilo é natural de Brusque (SC), nascido em 19 de setembro de 1943. Estudou Filosofia em Brusque de 1964 a 1965 e Teologia no Instituto Teológico SCJ, em Taubaté de 1966 a 1969. É licenciado em Letras (Português), na Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira, em São Paulo. Frequentou cursos de espiritualidade em Universidades Pontifícias de Roma, em 1980.

Após o noviciado, ingressou na Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, professando os votos religiosos a 2 de fevereiro de 1964. No dia 7 de dezembro de 1969 foi ordenado sacerdote em Brusque (SC). Foi pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté no ano de 1970.

Em 1985, o papa João Paulo II o nomeou bispo auxiliar de Florianópolis (SC). Foi ordenado bispo em sua cidade natal, no dia 28 de abril de 1985. Esteve como bispo de Ponta Grossa (PR) de 1991 a 1997, presidente do regional Sul 2 da CNBB, por dois mandatos, de 1995 a 1999 e 1999 a 2000.

Em 1997, o papa João Paulo II o nomeou arcebispo de Maringá (PR) e, no ano de 2002, tornou-se arcebispo de Florianópolis. No dia 12 de janeiro de 2011, o papa Bento XVI o nomeou arcebispo de São Salvador (BA), com posse no dia 25 de março do mesmo ano.

 

Secretário Geral da CNBB reeleito na 53ª Assembleia Geral do episcopado brasileiro

 

Foto: CNBB

O bispo auxiliar de Brasília (DF), Dom Leonardo Steiner, foi reeleito como secretário geral da entidade. Foi reeleito no segundo escrutínio, após receber 228 votos, ultrapassando assim, os 194 que corresponderam aos dois terços necessários para a eleição.

Em 2011, durante a 49ª Assembleia Geral da CNBB, dom Leonardo Steiner foi eleito secretário geral da entidade, tendo como missão implantar e dinamizar as Diretrizes Gerais da Ação vangelizadora (2011-2015) nas dioceses na Igreja no Brasil.

Com o lema “Verbo feito carne”, dom Leonardo foi nomeado bispo em 02 de fevereiro de 2005, pelo papa João Paulo II. Natural de Forquilhinha (SC), nasceu em 06 de novembro de 1950, filho de Leonardo Steiner e Carlota Arns Steiner.

 

Dom Leonardo possui mestrado e doutorado em Filosofia, ambos concluídos na Pontifícia Universidade Autonianum, em Roma. É formado em diversos cursos de licenciatura como em Filosofia, Letras, Administração Escolar, Orientação Educacional, Supervisão Escolar e Magistério, e bacharel em Pedagogia pela Universidade Sagrado Coração (USC).

 

Fonte - ACI Digital - http://www.acidigital.com/noticias/dom-sergio-da-rocha-arcebispo-de-brasilia-e-eleito-novo-presidente-da-cnbb-54516/ 

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2017

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.