Coração de Sião

Coração de Sião - Novembro de 2014

| Imprimir | PDF 

A vida eterna

A Igreja em novembro, diferentemente dos meses que o antecedem, não apresenta nenhuma dedicação especial, mas é neste mês que se encerra o ano litúrgico com a solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo e logo em seguida se dá o início do novo ano. E devemos ressaltar que logo nos primeiros dias desse mês temos duas celebrações importantes: Solenidade de Todos os Santos e Comemoração dos Fiéis Defuntos (Finados).

Se não há uma dedicação especial, como devemos viver este mês para crescermos na fé, na esperança, na caridade e assim continuarmos trilhando o caminho para a santidade?

A Igreja nos apresenta na oração do Credo, a fé na ressurreição dos mortos e na vida eterna ou na vida do mundo que há de vir. Nesta santa Igreja Católica, instruídos pelos ensinamentos e leis de salvação, alcançaremos o reino dos Céus e teremos como herança a vida eterna; e para podermos recebê-la do Senhor, estamos dispostos a tudo suportar neste mundo. Não é pouco o que esperamos, a finalidade da nossa luta é alcançar a vida eterna. Por isso, na profissão de fé aprendemos que depois do artigo: (Creio) na ressurreição da carne, isto é, dos mortos, devemos acreditar também na vida eterna, que é a esperança dos cristãos em todos os combates.

Por conseguinte, a vida verdadeira e autêntica é o Pai que, como uma fonte, derrama sobre nós todos os seus dons celestes, por intermédio do Filho, no Espírito Santo. “É a sua bondade infinita que comunica aos homens os bens verdadeiros da vida eterna.” (São Cirilo de Jerusalém).

Esta vida eterna é a continuidade e a expansão da nossa vida de união com Cristo a partir da terra (cf. Jo 17, 3) e na sua plenitude consiste em ver a Deus “tal como Ele é” (1Jo 3, 2), na plena participação da vida trinitária. É vida intensa, tal como é intensa a vida do próprio Deus, em que “Deus será tudo em todas as coisas” (1Cor 15, 28).

Nós possuímos desde já as primícias desta vida cuja plenitude está prometida para o lado de lá da morte, como canta um dos prefácios da missa de Domingo: “Durante a nossa vida terrena, sentimos cada dia os efeitos da vossa bondade e possuímos desde já o penhor da vida futura; tendo recebido as primícias do Espírito, pelo qual ressuscitaste Jesus Cristo de entre os mortos, vivemos na esperança da Páscoa eterna”.

Esta fé e esperança, não deixam de ter consequências sobre a maneira de viver e de enfrentar a morte. A liturgia exprime-se assim a este propósito: “Para os que creem em Vós, Senhor, a vida não acaba, apenas se transforma; e desfeita a morada deste exílio terrestre, adquirimos no céu uma habitação eterna” (Prefácio da Missa dos Defuntos). Morrer cristãmente, para aquele que vê vir a morte, leva-o a abandonar-se confiadamente à misericórdia de Deus. A oração da Igreja encoraja-nos a que nos preparemos para a hora da nossa morte: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte”.

Fonte – Ordem do Carmo - Portugal


INTENÇÕES DO MÊS

Novembro, penúltimo mês do ano civil, término do ano litúrgico. Diante de tantos desafios, que foram se apresentando no ano de 2014, precisamos planejar bem o Ano Novo.

Coloquemos como principal intenção neste mês, todo o planejamento de 2015, seja no âmbito litúrgico como civil, para que através de um apostolado eficaz, o Evangelho seja apresentado de forma que possa ser aplicado à vida em sua totalidade.

Peçamos pela Igreja, por nosso Santo Padre o Papa, por nossos bispos, por nossos sacerdotes, pelos religiosos, consagrados e todos os fiéis.   

Peçamos ainda pelo nosso Brasil, por seu povo e famílias.

Intensifiquemos as nossas orações pelos novos governantes eleitos.       

Sagrado Coração de Jesus, esperamos e confiamos em Vós!  


REZEMOS

Rezemos em todas as intenções propostas e também por aquelas que trazemos em nossos corações.

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho Nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos Céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e mortos. Creio no Espírito Santo. Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ó Maria concebida sem pecado original! Rogai por nós que recorremos a vós!

Jesus manso e humilde de Coração fazei o meu coração semelhante ao Vosso!

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Outubro de 2014

| Imprimir | PDF 

TODO BATIZADO É UM EVANGELIZADOR

A Igreja Católica dedica o mês de Outubro às Missões, e também ao Santo Rosário. Sendo mês das Missões, cada um de nós deve lembrar que todo batizado tem a missão de ser evangelizador. Não é cristão de verdade quem não fala de Cristo e da Igreja. O Batismo nos faz “membros do Corpo de Cristo”, a Igreja, e assim, participantes de Sua Missão de salvar o mundo, levando-o para Deus, por meio da vivência dos ensinamentos de Jesus.

  Embora na liturgia, estejamos no Tempo Comum, outubro é muito rico de sentido, quando falamos em missão, pois durante os seus dias celebramos a memória de vários santos que souberam responder com suas vidas ao mandato missionário de Cristo. Já em seu primeiro dia, celebramos Santa Teresinha do Menino Jesus (Teresa de Lisieux), padroeira das missões.

  Outro fato marcante que percebemos é a presença de Nossa Senhora. No dia sete celebramos a memória de Nossa Senhora do Rosário, instituída pelo Papa Pio V, no aniversário da vitória obtida pelos cristãos na batalha naval de Lepanto, atribuída ao auxilio da Santa Mãe de Deus, invocada com a oração do Santo Rosário em 1571.

  Nossa Senhora é ainda um forte sinal de missão, então, lembremos que o dia doze, no Brasil acontece a Solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Padroeira do Brasil.

  Para uma melhor compreensão da importância da presença de Nossa Senhora, na vida de cada batizado, recorramos às palavras de São João Paulo II, em sua visita ao Brasil: “Desde que pus os pés em terra brasileira, nos vários pontos por onde passei, ouvi este cântico (Viva a Mãe de Deus e nossa, sem pecado concebida...). Ele é, na ingenuidade e singeleza de suas palavras, um grito da alma, uma saudação, uma invocação cheia de filial devoção e confiança para com aquela que, sendo verdadeira Mãe de Deus, nos foi dada por seu Filho Jesus no momento extremo da sua vida para ser nossa Mãe”.

São João Paulo II continua: “Sim, amados irmãos e filhos, Maria, a Mãe de Deus, é modelo para a Igreja, é Mãe para os remidos. A Virgem Santíssima tem uma presença singular na vida e na oração desta Igreja. Por isso mesmo, a Igreja tem os olhos sempre voltados para aquela que, permanecendo virgem, gerou, por obra do Espírito Santo, o Verbo feito carne. Qual é a missão da Igreja senão a de fazer nascer Cristo no coração dos fiéis, pela ação do mesmo Espírito Santo, através da evangelização? Assim, a ‘Estrela da Evangelização’, como chamou o Papa Paulo VI, aponta e ilumina os caminhos do anúncio do Evangelho.

A devoção a Maria é fonte de vida cristã profunda, é fonte de compromisso com Deus e com os irmãos. Permanecei na escola de Maria, escutai a sua voz, segui seus exemplos. Como ouvimos no Evangelho, ela nos orienta para Jesus: Fazei tudo o que Ele vos disser (Jo 2,5). E, como outrora em Caná da Galiléia, encaminha ao Filho as dificuldades dos homens, obtendo dele as graças desejadas”.  

 

Fontes - Prof Felipe Aquino e Lit. das Horas


INTENÇÕES DO MÊS

Outubro mês, de missão e de eleição!

A missão de todo cristão é gerar vida e protegê-la, por isso, rezemos pedindo a  intercessão de Nossa Senhora e a luz do Espírito Santo, para que com sabedoria e discernimento escolhamos de forma consciente os candidatos, nos quais depositaremos a confiança de nosso voto, nas eleições de 05 de outubro.

Não podemos esquecer que os que agora, forem eleitos, nos governarão durante os próximos quatro anos, com plenos poderes, a eles concedidos por nós! Isto deve fazer-nos refletir na nossa corresponsabilidade, diante de Deus, em tudo aquilo que eles vierem a realizar, seja bom ou mau. A responsabilidade é nossa!

Peçamos também ao Sacratíssimo Coração de Jesus que nos livre do espírito de reclamação e acomodação, inflamando-nos, ao contrário, com coragem e decisão para lutarmos pelos nossos direitos e pelo bem comum, engajando-nos nas causas sociais e defendendo nossa pátria do relaxamento moral.

À luta, irmãos! Sagrado Coração de Jesus, esperamos e confiamos em Vós!


REZEMOS

Rezemos com Maria o Magnificat: “ela é sempre a Mãe de Deus e nossa”.

A minha alma engrandece ao Senhor e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador; pois ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e Santo é o seu nome! Seu amor, de geração em geração, chega a todos que o respeitam; demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhosos; derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou; saciou de bens os famintos, e despediu, sem nada, os ricos. Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre”. (Lc 1, 46-55)

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ó Maria concebida sem pecado original! Rogai por nós que recorremos a vós!

Jesus manso e humilde de Coração fazei o meu coração semelhante ao Vosso!

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Agosto de 2014

| Imprimir | PDF 

SIÃO - UMA NOVA EXPRESSÃO DE VIDA CONSAGRADA!

Chegamos ao mês de agosto, e a Igreja do Brasil novamente nos convida a refletirmos sobre a questão vocacional.

Para entendermos esta questão é preciso lembrar que o Espírito Santo é quem distribui os dons, quem sabe o que a humanidade precisa a cada tempo. É Ele, alma da Igreja, que suscita carismas próprios para atender as necessidades da sociedade e da Igreja em cada tempo. Para uma melhor compreensão, vejamos que após a conversão, São Francisco de Assis, recebeu do Espírito Santo, um carisma necessário para sua época e a partir deste, passou a apresentar o rosto da Igreja para os pobres, já que esses, como ainda hoje, eram excluídos pelo sistema. Tempos difíceis para a Igreja e para o povo. Época da transição do sistema feudal para as chamadas comunas (cidade). Em seguida formou-se uma nova classe social, a burguesia, que tinha grande influencia na Igreja.

Nos tempos atuais o Espírito Santo tem suscitado novos carismas, necessários para o nosso tempo. São os Movimentos e a Novas Comunidades (Novas Realidades Eclesiais).

Comunidade Católica Sião que neste mês completa 20 anos de sua fundação, é uma destas “Novas Realidades Eclesiais”.

Assim começamos: em 29 de abril de 1992, após um aprofundamento de oração para músicos, a partir de uma experiência do poder do Espírito Santo, conforme aconteceu em Pentecostes (cf. Atos 2, 1-4), iniciou-se o ministério de música na Paróquia de Sant'Ana e São Joaquim, em  Petrópolis (RJ). Na época, nossa diocese vivia um momento forte da evangelização, pois aconteciam diversos cursos do Projeto “Evangelização 2000” e da Renovação Carismática Católica. Nos cursos, ouvia-se o apelo de João Paulo II para uma Nova Evangelização. Assim, Sergio Luiz de Freitas Rodrigues, fundador da Comunidade Sião e sua esposa e cofundadora, Norma Sueli Diniz Rodrigues, começavam a dar forma ao que o Senhor já havia iniciado desde que se conheceram e se uniram em matrimônio.

Começamos então um apostolado que teve como meta inicial as Santas Missas da paróquia e o grupo de oração. O sentimento era o de que devíamos transmitir a outros músicos a formação que havíamos recebido. Então, muitas pessoas foram sendo envolvidas, a maioria jovens, de modo que foram sendo gerados momentos de forte convivência fraterna, o que era percebido por muitas pessoas, especialmente pelos sacerdotes da paróquia.

Após dois anos de experiência, de convivência fraterna e discernimento da vontade de Deus. No período de 12 de agosto de 1994 a 18 de agosto de 1995, em fortes momentos de oração sob a orientação espiritual do padre Gilson (hoje Dom Gilson bispo auxiliar de Salvador, Bahia), tivemos a confirmação da vontade de Deus a partir do nosso nome, nossa vocação, o carisma, a missão e o sinal que identificaria a obra.

O Senhor utilizou-se da música para dar início à obra, em seguida serviu-se das formações que proporcionaram a vivência fraterna, da adoração ao Santíssimo Sacramento e do compromisso com a oração. “E que responderá (meu povo) aos mensageiros desta nação? Que o Senhor fundou Sião, e que os humildes de seu povo aí encontrarão refúgio” (Isaías 14,32).

Sião é o nosso nome. Desde o início, nós fomos chamados de Sião pelo Senhor (cf. Is 14,32). “Tocai para o Senhor, que habita em Sião; narrai entre os povos as suas façanhas: Ele busca os assassinos, lembra deles, não se esquece jamais do clamor dos pobres. Piedade, Senhor! Vê minha aflição! Levanta-me das portas da morte, para que eu proclame os teus louvores, e com tua salvação eu exulte às portas da filha de Sião e publique seus louvores, e me regozije de vosso auxilio”. (Sl 9, 12-15)

Deus nos chamou de Sião e nos constituiu, apresentando-nos o que Ele próprio já havia feito em nós e por meio de nós e o que Ele quer que sejamos. Somos chamados ao serviço aos irmãos com amor e oração. Neste chamado do Senhor a nós Ele nos dá uma filiação, quando nos chama a exultar às portas da filha de Sião: “Maria”.


INTENÇÕES DO MÊS

Coloquemos como intenção de nossas orações deste mês, as vocações e os membros de Sião, assim como todos os vocacionados, e consagrados nas diversas formas de consagração na Igreja, que saibam abandonar-se em Deus, entregando-se a Ele com todo amor. E ainda consagrem a Deus toda a sua vida e amor, reconhecendo e observando os verdadeiros valores humanos. Deixem-se possuir por Deus, de forma livre.

Peçamos ainda por toda a Igreja, pelo Santo Padre o Papa Francisco, nossos bispos, nossos sacerdotes, paróquias com suas estruturas, de modo especial pelas pastorais que são responsáveis pelas vocações e ainda pelos movimentos, novas comunidades, congregações e mosteiros, que sejam fiéis ao seu carisma e na animação vocacional.

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!


REZEMOS

Reze nas intenções propostas para este mês e também pedindo ao Senhor da Messe que envie operários:

Senhor, no vosso infinito amor, quereis que o PLANO DIVINO DE SALVAÇÃO atinja sempre mais a todos os homens.

Fazei que nossas famílias cristãs se tornem pequenas igrejas onde todos os pais sejam para os filhos, pela palavra e pelo exemplo, os primeiros educadores da fé, e que os filhos à luz do Espírito Santo sejam disponíveis e generosos em seguir o vosso chamado.

Pela intercessão de Maria, Mãe do povo de Deus, vos pedimos mais operários para a vinha.

Confirmai todos os sacerdotes, religiosos e apóstolos leigos em sua nobre vocação. Nesta intenção vos oferecemos nossas preces e ações.

Por isso, Senhor, rezamos unidos: PAI NOSSO...

Jesus manso e humilde de Coração fazei o meu coração semelhante ao Vosso!

Reze também uma Ave Maria e o Glória, pelas vocações

 

 

 

 

 


 

Compartilhar

Coração de Sião - Setembro de 2014

| Imprimir | PDF 

A CRUZ É O SÍMBOLO DO CRISTÃO

O símbolo da cruz sacralizou, por séculos, todos os cantos da terra e todas as manifestações sociais e privadas; vivia-se em outro contexto histórico.” “Hoje, que o grande negócio é parar de sofrer”, uma vez que vivemos a sociedade do alívio imediato, da qualidade de vida, da satisfação garantida, tanto a cruz como o Crucificado estão correndo o risco de serem varridos ou, pior, instrumentalizados por uma moda de consumo”. Há mesmo os que desejam banir este símbolo da fé cristã dos ambientes públicos!

Os homens e mulheres de nosso tempo já não entendem e não aceitam que o sofrimento seja uma etapa necessária do amadurecimento humano. Daí que o lance é afastar da vista (e, tão logo possível, dos próprios ombros) a indesejável cruz, que nos lembra a toda hora que as dificuldades fazem parte da vida, e que é preciso doar-se aos irmãos.

“Com a Cruz, se manifestou o juízo sobre o mundo: condenado injustamente, Jesus sofre tormentos que manifestam a profundidade da ruptura ente os homens e Deus. Por isto, a cruz é exaltada como sinal que manifesta, para sempre e para todos, o amor de Deus pelos homens”. Diz Jesus a Nicodemos: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3, 16)

Mas o mundo que Cristo salvou pela cruz não quer reconhecer esta cruz como vitória, porque dá muito trabalho se converter, superar obstáculos, vencer desafios. Daí que vemos tantos contrassensos, como a atual tendência de se preferir (até mesmo entre católicos supostamente instruídos!) a tal da “cruz sem Cristo”. Que (não percebem) é insuportável.

 Nós, de Sião, em agosto, completamos 20 anos de vida, usamos um sinal onde o Cristo está presente, ainda que não da maneira tradicional. Para não sermos confundidos com aqueles que rejeitam o Crucifixo por medo de encarar as exigências do amor, esclarecemos abaixo o significado de cada uma das partes que compõem nosso sinal de consagração: O sinal da Comunidade é composto da seguinte forma:

- CRUZ = MISSÃO = “Viver o Amor onde se fizer necessário”. É seguimento de Cristo. Sua missão foi concluída na cruz, aí aconteceu sua Páscoa, nesta Jesus demonstrou Amor e Obediência ao Pai.

- CORAÇÃO (SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS) = CARISMA = “Amor do Pai”. Assim como no Coração Sagrado de Jesus habita todo o Amor do Pai e dele nasceu a Igreja, nós, a partir dele, nascemos para a consagração no Carisma.

 - ALIANÇA = unidade e compromisso. Une a cruz (Missão) ao coração (Carisma) e fixa a dimensão da relação da cruz – verticalmente – a comunidade com seus membros a Deus – e horizontalmente – a comunidade e seus membros aos irmãos.

“Quando eu for exaltado da terra, diz o Senhor, atrairei a mim todas as coisas.” (Jo 12,32)  

(Fonte: Missal Cotidiano, Ed.Paulus, pás.: 1735-38) 


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês, vamos rezar pedindo ao Espírito Santo que nos conceda a sabedoria e todo o discernimento necessário para, como católicos conscientes, escolhermos bem os candidatos nos quais depositaremos a confiança de nosso voto, nas eleições de 03 de outubro. É importante meditarmos que, aqueles que nós elegermos agora, nos governarão durante os próximos quatro anos, com plenos poderes, a eles concedidos por nós! Isto deve fazer-nos refletir na nossa coresponsabilidade, diante de Deus, em tudo aquilo que eles vierem a realizar, seja bom ou mau. Seremos cobrados.

Peçamos também ao Sacratíssimo Coração de Jesus que nos livre do espírito de reclamação e acomodação, inflamando-nos, ao contrário, com coragem e decisão para lutarmos pelos nossos direitos e pelo bem comum, engajando-nos nas causas sociais e defendendo nossa pátria do relaxamento moral. Que saibamos cobrar, com atitudes e não com simples palavras, um posicionamento coerente daqueles que ocuparem os cargos públicos de nossa nação!              

À luta, irmãos! Sagrado Coração de Jesus, esperamos e confiamos em Vós!


REZEMOS

Preciosa oferta dos Merecimentos de Nosso Senhor Jesus Cristo

Deus Pai, eu Vos ofereço o Sagrado Coração de Jesus, Vosso adorável Filho, com todo o Seu amor, todos os Seus sofrimentos e todos os Seus méritos.

– Para reparar todos os pecados que eu cometi por pensamentos, palavras, obras e omissões, hoje e durante toda a minha vida.

Por minha culpa, minha tão grande culpa. Glória ao Pai...

– Para purificar o bem que eu fiz mal hoje e durante toda a minha vida.

Por minha culpa, minha tão grande culpa. Glória ao Pai...

– Para suprir todo o bem que eu deveria ter feito e deixei de fazer hoje e durante toda a minha vida.

Por minha culpa, minha tão grande culpa. Glória ao Pai...

Deus Pai, eu Vos ofereço o preciosíssimo Sangue de Jesus Cristo, em expiação de meus pecados e pelas necessidades da Santa Igreja Católica. Amém.

Origem desta oração: uma humilde religiosa Clarissa, apenas morta apareceu à sua superiora que estava orando por ela, e lhe disse: “Eu entrei no Céu por meio desta oração, que rezava todas as noites, pagando assim todas as minhas dívidas.”

Uma vida de intensa piedade alcança-nos indulgências, com que Deus, em Sua infinita bondade, apaga Ele mesmo as penas devidas por nossas inúmeras faltas.

 

  (Fonte: Orações de todos  os tempos  da Igreja; org.: Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas)

Compartilhar

Coração de Sião - Julho de 2014

| Imprimir | PDF 

EM PRIMEIRO LUGAR O REINO DE DEUS! 


Nos últimos meses, as reflexões do Coração de Sião nos têm levado as orações de certa forma comuns. As primeiras que aprendemos. Neste mês, daremos continuidade, já que a liturgia de julho vai nos apresentar através do Evangelho de São Mateus o Reino de Deus.

“Buscai, pois, em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas de acréscimo”. (Mt 6, 33)

O homem que fixa os olhos unicamente em Deus e em sua Lei, deixando-se guiar pela fé, terá sua vida iluminada pelos valores sobrenaturais e encontrará Deus que é luz, e assim o Seu Reino.

Em nossos dias, a gula, a embriaguez e as preocupações da vida, três tentações que o homem vive no mundo. Atualmente imperam na sociedade a fome do ter mais, a embriaguez do poder sobre o outro e a preocupação da fama cada vez maior. Mas Jesus, o Divino Mestre alerta: “Estai atentos, para que vosso coração não fique insensível”. O dinheiro, o domínio e a fama tornam mente, espírito e coração insensíveis. Em nome desses três fatores as maiores barbaridades são cometidas, se esquece do outro, perde-se o brilho dos olhos inocentes, ofuscam-se os contornos do coração generoso, e fica embaçada a transparência da honestidade e lealdade. Noutra passagem, a palavra de Cristo é incisiva e mostra a orientação para quem ainda se sente amarrado ao transitório da existência: “Não vos preocupeis com a vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem com o vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que a roupa? Olhai as aves do céu; não semeiam nem colhem, nem ajuntam em celeiros. E, no entanto, vosso Pai celeste as alimenta. Ora, não valeis mais do que elas?... Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6,25.26.33). Esta é a verdadeira felicidade: ter as coisas, mas não ser escravo delas. O mundo está a serviço do homem e não o homem a serviço do mundo.

Diante de tudo o que nos foi apresentado até aqui, é preciso que nos examinemos, verificando, como estamos procedendo. Quais os valores que orientam o nosso viver? Valorizamos o que temos, sejam bens móveis ou imóveis, a posição profissional, status social... lembrando que tudo é passageiro? Tudo o que temos, usamos com critério ou estamos nos deixando escravizar?

Para concluir, todos nós em algum momento da vida: sejam todos os dias em nossa casa, no trajeto até o trabalho ou escola, na celebração da Missa, quando ouvimos ou ao assistirmos um programa religioso, rezamos a oração do Pai nosso. Nesta oração dizemos: “... venha a nós o Vosso Reino, seja feita a Vossa Vontade assim na terra como no céu!”

São Paulo nos diz que o “Reino de Deus não é comida nem bebida senão justiça, paz e alegria no Espírito Santo. Quem serve assim a Cristo, agrada a Deus e goza da estima dos homens. Portanto apliquemo-nos ao que contribui para a paz e mútua edificação”. (cf. Rm 14, 17-19)

Assim que teremos antecipadamente aqui na terra o Reino que pedimos no Pai nosso!

Fonte - Comentários Bíblia Editora Vozes


INTENÇÕES DO MÊS

Coloquemos como intenção para este mês, todos nós batizados, responsáveis pela implantação do Reino de Deus.

Jesus falando aos discípulos “disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mc 16,15). Nós todos os batizados, discípulos de Jesus, somos responsáveis pelo anúncio do Evangelho e assim pela implantação do Reino de Deus.          

Peçamos ainda por toda a Igreja, pelo Santo Padre o Papa Francisco, nossos bispos, nossos sacerdotes, paróquias com suas estruturas, movimentos, novas comunidades, religiosos e religiosas, que sejam eficazes, no anúncio do Evangelho e implantação do Reino de Deus.

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!


REZEMOS

Rezemos neste mês, procurando meditar de forma profunda e consciente a oração do Pai Nosso: “Pai Nosso, que estais no Céu Santificado seja o Vosso Nome. Venha a nós o Vosso Reino Seja feita a Vossa Vontade, Assim na Terra como no Céu. O Pão-Nosso de cada dia nos daí hoje, Perdoai-nos as nossas ofensas Assim como nós perdoamos a Quem nos tem ofendido E não nos deixeis cair em tentação Mas livrai-nos do Mal”. Amém!

Jesus manso e humilde de Coração fazei o meu coração semelhante ao Vosso!

Rezemos também: Ave Maria, Glória


 

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2020

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.