Coração de Sião

Coração de Sião - Abril de 2018

| Imprimir | PDF 

 Vós julgais segundo a aparência”

Chegamos ao mês de abril, tempo pascal, que compreende cinquenta dias entre o domingo da Ressurreição e o domingo de Pentecostes. Dias celebrados com alegria e exultação, como se fossem um só dia de festa, ou ainda, “como um grande domingo”.

Passamos a quaresma em preparação para celebrarmos bem a Páscoa. Nesses quarenta dias, buscamos aprofundar o nosso processo de conversão, através da oração, jejum e esmola. Agora, neste período aguardamos a grande promessa que é o derramamento do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, quando encerraremos o tempo pascal.

Será que existe ainda hoje nas pessoas, a consciência da necessidade de buscar a conversão e renovar a efusão do Espírito Santo? Nos tempos atuais, homens e mulheres em sua grande maioria, estão muito preocupados com a aparência exterior, parece que esqueceram que também é necessário e prioritário cuidar do interior. "Vós julgais segundo a aparência; eu não julgo ninguém. E, se julgo, o meu julgamento é conforme a verdade". (cf. Jo 8, 15-16)

Diz Bento XVI, nosso papa emérito: “a necessidade e a urgência de um renovado diálogo entre estética e ética, entre beleza, verdade e bondade, nos são repropostas não apenas pelo atual debate cultural e artístico, mas também pela realidade quotidiana. Com efeito, a vários níveis sobressaem dramaticamente à separação, e às vezes o contraste entre as duas dimensões, a da busca da beleza, mas compreendida de modo redutivo como forma exterior, como aparência que se procura a todo o custo, e a da verdade e da bondade das ações que se realizam para alcançar uma certa finalidade. Com efeito, uma busca da beleza que fosse alheia ou separada da busca humana da verdade e da beleza transformar-se-ia, como infelizmente acontece, em mero esteticismo e, sobretudo para os mais jovens, num itinerário que termina no efêmero, na aparência banal e superficial, ou até numa fuga para paraísos artificiais, mas ocultam e escondem o vazio e a inconsistência interior”.1

E ainda, temos que saber que “os homens de hoje estão sujeitos a pressões de toda a ordem e correm o perigo de se verem privados da própria liberdade. Por outro lado, não poucos mostram-se inclinados a rejeitar, sob pretexto de liberdade, toda e qualquer sujeição, ou a fazer pouco caso da devida obediência” (cf. Dignitatis Humanae, 8). É preciso saber que “os que têm a seu cargo educar outros, se esforcem por formar homens que, fiéis à ordem moral, obedeçam à autoridade legítima e amem a autêntica liberdade; isto é, homens que julguem as coisas por si mesmos e à luz da verdade, procedam com sentido de responsabilidade, e aspirem a tudo o que é verdadeiro e justo, sempre prontos para colaborar com os demais de forma que os homens procedam responsavelmente no desempenho dos seus deveres na vida social”. (cf. Dignitatis Humanae, 8)


1 - (Mensagem do Papa Bento XVI ao presidente do pontifício conselho para a cultura por ocasião da 13ª sessão pública dedicada ao tema: "universalidade da beleza: confronto entre estética e ética)


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de abril, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Aqueles que têm uma responsabilidade na economia, “para que os responsáveis pelo planejamento e pela gestão da economia tenham a coragem de rejeitar uma economia da exclusão e saibam abrir novos caminhos”..

E ainda, precisamos continuar, pedindo pelas intenções da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo muito especial peçamos pelas crianças e idosos.

Que o Senhor, com o seu auxílio nos ajude a abrir os nossos corações em busca da verdade, da justiça e da paz. Que os pensamentos, ideologias e aparências exteriores que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


REZEMOS

Então conforme nossas intenções, rezemos para que o Senhor, haja na consciência de cada homem e de cada mulher, para que estes desejem a conversão e sob a ação do Espírito realizem o seu Plano de Amor na humanidade, valorizando assim a beleza e a verdade.

“Senhor Deus eterno e todo poderoso, que sois o bem, o sumo bem, a plenitude do bem, que só vós sois bom, que só vós sois belo, infundi em nossos corações a beleza do teu amor que tudo transforma.

Suplicamos, ó mais belo entre os filhos dos homens, nosso santíssimo Senhor Jesus Cristo, que nos chamastes a partilhar na vossa luz da herança aos vossos santos reservada, o dom da beleza, que é a aceitação de quem nós somos e a alegria de vos amar”.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – https://rezairezairezai.blogspot.com.br/2011/01/oracao-da-beleza.html

 

 

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Março de 2018

| Imprimir | PDF 

“Sim, se é sim; não, se é não” 

Chegamos ao mês março de 2018, Tempo da Quaresma que precede e dispõe à celebração da Páscoa. Tempo de escuta da Palavra de Deus e de conversão, de preparação e de memória do Batismo, de reconciliação com Deus e com os irmãos, de recurso mais frequente às “armas da penitência cristã”: a oração, o jejum e a esmola (cf. Mt 6,1-6.16-18).

Neste momento de guerra, violência e tantos desajustes e contravalores, vividos em toda a humanidade, vale a pena repensarmos o quanto temos sido verdadeiros naquilo que dizemos ser.

Entre os católicos, dizem existir, os praticantes e não praticantes. Ser católico é praticar a religião. A nossa fé é pratica, pois “de que aproveitará, meus irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Poderá a fé salvá-lo?” (Tg 2,14), então se não há prática, não existe catolicismo e sim simpatizantes, ou o que se diz ser católico não o é.

O batismo nos concede a graça de sermos sacerdote, profeta e rei. Se tomarmos posse dessa condição, devemos seguir e copiar Jesus em tudo, como nos diz o apóstolo São Paulo: “Eu vivo, mas já não sou eu, é Cristo que vive em mim. Minha vida presente na carne, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. Não menosprezo a graça de Deus”. (Gl 2, 20-21)

Existe fora do meio católico pessoas (de outras religiões e seitas) que nos observam e veem claramente que apesar de existirem muitos católicos, uns seguem e vivem os ensinamentos de Deus e da Igreja (praticantes) e outros não (não praticantes). Entre estes escutamos: este é um verdadeiro cristão, que é o católico praticante, pois dizem eles, que existem muitos falsos cristãos ou só de nome, os não praticantes. Infelizmente no meio cristão temos essas questões. Será que em outras religiões e seitas, existem também, os praticantes e os não praticantes?

Pode-se dizer ainda, que o católico praticante é o que dá testemunho da sua fé, respeitando e cumprindo tudo que a Igreja representa em sua vida. Sim, podemos dizer, sou praticante, pois prático e exercito a minha fé.

Agora, diante das exposições, existe católico ou não católico. Católico de verdade, pratica a sua fé. Os não católicos apenas “dizem ser” mas não tem o compromisso de ir à missa ou respeitar a doutrina.

Aproveitemos este tempo de preparação para a Páscoa e nos posicionemos de fato, pois Jesus nos fala “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno”. (Mt 5, 37)


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de março, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Pela evangelização: formação para o discernimento espiritual. Para que toda a Igreja reconheça a urgência da formação para o discernimento espiritual, a nível pessoal e comunitário.

E ainda, não deixemos de pedir pelo êxito da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo especial peçamos pelas crianças e idosos.

E que o Senhor, com o seu auxílio nos faça testemunhas da verdade, da justiça e da paz. Que todos os pensamentos e ideologias que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


 

REZEMOS

Rezemos então conforme nossas intenções pelos objetivos e êxito da CF 2018, e ainda por nossa conversão, para que sejamos testemunhas de fato de Cristo como Igreja em nossos ambientes e por todas as situações apresentadas em nossas intenções: “Senhor, hoje recordas-nos que somos pecadores, convidando-nos à conversão radical das nossas vidas. Hoje dizes-nos: ‘Convertei-vos e acreditai no Evangelho!’. É uma ordem de libertação de tudo o que nos degrada. Eis aqui a tarefa da Quaresma no caminho para a Páscoa. A cinza é garantia da ressurreição do homem novo. Queremos despojar-nos da hipocrisia que nos corrói: que saibamos procurar-Te e agradar-Te em segredo. Queremos refazer a nossa opção batismal para chegar à noite da vigília pascal como homens e mulheres novos, renascidos do Teu Espírito”. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso! 

FONTE – http://www.paroquiaqueijas.net/portal/evangelizacao/tempo-de-oracao/quaresma-pascoa/72-oracao-em-tempo-de-quaresma

Compartilhar

Coração de Sião - Fevereiro de 2018

| Imprimir | PDF 

“Somos todos irmãos

Entramos no segundo mês de 2018. Fevereiro nos trás o Carnaval, e todos sabemos que ao final desta festa, vem à quarta-feira de cinzas que dá inicio ao tempo da quaresma em preparação a páscoa.

No Brasil, a CNBB nos apresenta na quaresma, a Campanha da Fraternidade, que neste ano tem como tema “fraternidade e superação da violência" e como lema ‘em Cristo somos todos irmãos’ (Mt 23,8).

A campanha da fraternidade tem como objetivo geral, Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

 E tem como objetivos específicos: anunciar a Boa-Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal; analisar as múltiplas formas de violência, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira; identificar o alcance da violência, nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação, a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça, em sintonia com o Ensino Social da Igreja; valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão; identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas para superação da desigualdade social e da violência; estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência; apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

Diante do tema proposto pela CNBB, através da CF2018, cabe-nos uma pergunta: “O que fazer para ajudar a construir a cultura de paz?”

Para responder, é preciso: ter como critério o Evangelho; a superação da justiça do pagar pelo que faz; a misericórdia, a solidariedade e o desejo de superação devem ser os elementos que fundamentam a ação; ninguém deve pagar o mal com o mal, mas com o bem; renunciar a qualquer forma de violência; não ver nas armas a solução para os conflitos humanos; criar novos relacionamentos a partir da fraternidade e da necessidade de um projeto social comum; a solidariedade para com as vítimas da violência; o respeito pela dignidade em todas as condições da vida; a luta pela conversão pessoal e pela conversão de todos; respeito às diferenças, contra o preconceito e a discriminação; refletir nas famílias sobre a cultura da reconciliação e da paz e sobre estratégias de solução; repensar a própria responsabilidade em relação à sociedade, promover momentos para exercer o discernimento evangélico acerca do que ocorre na comunidade, bairro, cidade, e identificar situações de violência; desenvolver o diálogo com outras religiões e posições diferentes. 

  


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de fevereiro, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Por todo o mundo para frear a corrupção: “Para que aqueles que têm um poder material, político ou espiritual não se deixem dominar pela corrupção”. 

E ainda, não deixemos de pedir pelo êxito da Cf2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo especial peçamos pelas crianças e idosos.

E que o Senhor, com o seu auxílio nos faça testemunhas da verdade, da justiça e da paz. E que todos os pensamentos e ideologias que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!!


REZEMOS

Rezemos neste mês pelos objetivos e êxito da CF 2018 e por todas as situações apresentadas em nossas intenções:

Deus e Pai, nós vos louvamos pelo vosso infinito amor e vos agradecemos por ter enviado Jesus, o Filho amado, nosso irmão. Ele veio trazer paz e fraternidade à terra e, cheio de ternura e compaixão, sempre viveu relações repletas de perdão e misericórdia. Derrama sobre nós o Espírito Santo, para que, com o coração convertido, acolhamos o projeto de Jesus e sejamos construtores de uma sociedade justa e sem violência, para que, no mundo inteiro, cresça o vosso Reino de liberdade, verdade e de paz. Amém!

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – CNBB – Campanha da Fraternidade 2018

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2019

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.