Coração de Sião

Coração de Sião - Dezembro de 2015

| Imprimir | PDF 

PRECISAMOS SEMPRE CONTEMPLAR O MISTÉRIO DA MISERICÓRDIA! 

Chegamos ao final de mais um ano. Dezembro, último mês do ano civil, nos apresenta esta novidade de um novo ano, tempo novo, de preparação, de espera, de encontro.

O ano litúrgico se antecipa ao civil. A liturgia, com o tempo do Advento inaugurou no último domingo de novembro, o novo ano. Devemos ficar atentos, pois, antes de toda a ação é preciso uma preparação espiritual. Necessitamos nos preparar para cada novo momento de nossa vida.

Este ano teremos a oportunidade de fazermos uma profunda experiência da Misericórdia de Deus em nossas vidas, pois, no dia 8 de dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição, será aberta a Porta Santa, inaugurando o “Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes” (cf. MV 3). Esta data foi escolhida pelo Santo Padre, pois marca cinquentenário da conclusão do Concílio Ecumênico Vaticano II.

O Ano Jubilar terminará na solenidade litúrgica de Jesus Cristo, Rei do Universo, 20 de Novembro de 2016. Naquele dia, ao fechar a Porta Santa, animar-nos-ão, antes de tudo, sentimentos de gratidão e agradecimento à Santíssima Trindade por nos ter concedido este tempo extraordinário de graça. (cf. MV 5)

É preciso lembrar que o Advento é um tempo especial de preparação para o Natal, solenidade de comemoração do nascimento de Jesus, primeira vinda do Filho de Deus entre os homens, período que através da lembrança, devemos voltar nossos corações para a expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos.

“Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai. O mistério da fé cristã parece encontrar nestas palavras a sua síntese. Tal misericórdia tornou-se viva, visível e atingiu o seu clímax em Jesus de Nazaré. O Pai, ‘rico em misericórdia’ (Ef 2, 4), depois de ter revelado o seu nome a Moisés como ‘Deus misericordioso e clemente, vagaroso na ira, cheio de bondade e fidelidade’ (Ex34, 6), não cessou de dar a conhecer, de vários modos e em muitos momentos da história, a sua natureza divina. Na ‘plenitude do tempo’ (Gl 4, 4), quando tudo estava pronto segundo o seu plano de salvação, mandou o seu Filho, nascido da Virgem Maria, para nos revelar, de modo definitivo, o seu amor. Quem O vê, vê o Pai (cf. Jo 14, 9). Com a sua palavra, os seus gestos e toda a sua pessoa Jesus de Nazaré revela a misericórdia de Deus”. (MV 1)

“Precisamos sempre contemplar o mistério da misericórdia. É fonte de alegria, serenidade e paz. É condição da nossa salvação. Misericórdia: é a palavra que revela o mistério da Santíssima Trindade. Misericórdia: é o ato último e supremo pelo qual Deus vem ao nosso encontro. Misericórdia: é a lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida. Misericórdia: é o caminho que une Deus e o homem, porque nos abre o coração à esperança de sermos amados para sempre, apesar da limitação do nosso pecado”. (MV 2)

Desejamos a todos um Santo Natal e um Novo Ano pleno do Amor Misericordioso do Senhor! 


INTENÇÕES DO MÊS

Observemos que este é o tempo favorável para que possamos mudar o rumo de nossas vidas.

É preciso pedir ao Senhor que é Misericordioso que nos ajude, a sermos testemunhos de conversão.

Possamos aproveitar bem este tempo de espera e esperança, que nos prepara para celebrarmos o Nascimento do Verbo de Deus. As leituras da Sagrada Escritura e os textos das orações já tratam disso. Façamos esta experiência de comunhão com o Senhor através de sua Palavra que cura, santifica e salva!

Coloquemos para o Senhor como intenção para este mês:

Em primeiro lugar, um pedido pessoal. Que tenhamos uma profunda conversão, que nosso coração, seja uma manjedoura, lugar simples e que nele o Senhor habite, transformando todo o nosso interior e assim possamos ser sal da terra, luz no mundo, fermento na massa.

Clamemos sua misericórdia, por nossos familiares, pelos poderes públicos e todas as autoridades.

Peçamos também pela Igreja, pelas intenções do Santo Padre o Papa, por nossos bispos, pelos sacerdotes, diáconos, seminaristas, religiosos e leigos consagrados.  

E que este Ano Jubilar seja um ano de muita Graça!

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!        


REZEMOS 

Rezemos com o Papa Francisco que na República Centro Africana após dizer para todos os Países que sofrem pela guerra pedimos a paz. E a todos pediu para repetirem: “doyé siriri” (dá-nos a paz).

Em seguida ele fez a seguinte oração de abertura da Porta da misericórdia: “Senhor Deus, Pai de misericórdia, Tu concedes à tua Igreja Este tempo de penitência e perdão, para que ele tenha a alegria de se renovar interiormente pela obra do Espírito Santo e caminhar sempre mais fielmente pelos teus caminhos permanecendo no mundo como sinal de salvação e redenção; digna-te responder às nossas esperanças: abre-nos completamente a porta da tua misericórdia, para nos abri rum dia as portas da tua morada no céu onde Jesus, teu Filho e primeiro de entre os homens, nos precedeu, para te podermos, todos juntos, por toda a eternidade. Por Cristo, Nossos Senhor” Amém!

Ó Maria concebida sem pecado! Rogai por nós que recorremos a vós!

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

1 Pai Nosso; 1 Ave Maria; 1 Glória.

Compartilhar

Coração de Sião - Novembro de 2015

| Imprimir | PDF 

PARA OS HOMENS ESTÁ ESTABELECIDO MORREREM UMA VEZ! (cf. Hb 9, 27)

 Iniciamos novembro com a Solenidade de todos os santos no primeiro dia e a comemoração de todos os fiéis defuntos no segundo dia. Na solenidade de todos os santos a Igreja não celebra a santidade de apenas um cristão que se encontra no Céu, mas sim de TODOS, isto para demonstrar concretamente que é esta a vocação universal de TODOS para a felicidade Eterna. Assim, nós passamos a compreender as palavras do abade São Bernardo: "Para que louvar os santos, para que glorificá-los? Para que, enfim, esta solenidade? Que lhes importam as honras terrenas, a eles que, segundo a promessa do Filho, o Pai celeste glorifica? Os santos não precisam de nossas homenagens. Não há dúvida alguma, se veneramos os santos, o interesse é nosso, não deles".

Quanto à comemoração de todos os fiéis defuntos, ressoa em toda a Igreja o conselho de São Paulo para as primeiras Comunidades Cristãs: “Irmãos, não queremos que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para não vos entristecerdes, como os outros homens, que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que nele morrerem. Eis o que vos declaramos conforme a palavra do Senhor: nós, que ficamos ainda vivos, não precederemos os mortos na vinda do Senhor. Quando for dado o sinal, à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os vivos, que estamos ainda na terra, seremos arrebatados juntamente com eles para as nuvens, ao encontro do Senhor nos ares. Assim estaremos sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros, com estas palavras”. (1 Tes 4, 13-18)

O cristão não deve se desesperar diante da morte, pois, como Cristo morreu e ressuscitou, assim também acontecerá com os mortos. Na perspectiva de uma segunda vinda iminente de Cristo, a qual surpreenderá os vivos, Paulo afirma que primeiro ressuscitarão os mortos; em seguida a eles se reunirão os vivos ao encontro do Senhor. Na alegre esperança deste encontro o cristão deve vigiar, porque o Senhor virá “como ladrão à noite” (1 Tes 5,2).

Agora, torna-se importante perceber que: “para os homens está estabelecido morrerem uma vez e logo em seguida virá o juízo”. (Hb 9. 27)

Prestemos atenção às afirmações de São Paulo, através de suas cartas, e fiquemos também atentos a tudo o que a Sagrada Escritura nos apresenta, assim como a Tradição e o Magistério da Igreja Católica.


INTENÇÕES DO MÊS

Neste início de mês, unidos a toda a Igreja, fiquemos atentos ao convite de oração para o dia dos fiéis defuntos (finados) feito por nossa Mãe Igreja, que fundamenta-se na realidade da 'comunhão dos santos', seus filhos, onde pela solidariedade espiritual dos que estão inseridos no Corpo Místico, pelo Sacramentos do Batismo, são oferecidas preces, sacrifícios e Missas pelas almas do Purgatório.

A Palavra do Senhor confirma esta Tradição pois "santo e piedoso o seu pensamento; e foi essa a razão por que mandou que se celebrasse pelos mortos um sacrifício expiatório, para que fossem absolvidos de seu pecado" (2 Mc 2, 45). Assim é bom lembrarmos neste dia, que "a Igreja denomina Purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo dos condenados" (Catecismo da Igreja Católica). Portanto, a alma que morreu na graça e na amizade de Deus, porém necessitando de purificação, assemelha-se a um aventureiro caminhando num deserto sob um sol escaldante, onde o calor é sufocante, com pouca água; porém enxerga para além do deserto, a montanha onde se encontra o tesouro, a montanha onde sopram brisas frescas e onde poderá descansar eternamente; ou seja, "o Céu não tem portas" (Santa Catarina de Gênova), mas sim uma providencial 'ante-sala'.

"Ó meu Jesus perdoai-nos, livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente as que mais precisarem! Amém!”

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!


REZEMOS

Rezemos nas intenções de todos os nossos parentes e amigos falecidos.

Neste mês a Diocese de Petrópolis realiza a sua Assembleia Diocesana, então também rezemos na intenção de que tudo aconteça segundo a vontade do Senhor.

“Espírito de Deus dispõe os nossos corações e nossa mente para abraçarmos com alegria e ardor apostólico o Plano Pastoral de nossa Diocese, em união com toda a Igreja Católica do Brasil.

Queremos ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida, o Filho de Deus que se fez homem para nossa salvação.

Queremos acolher e comunicar a presença de Cristo que transforma a nossa vida, que nos toca por meio da comunhão fraterna, e nos envia em missão ao encontro de todos, anunciando a Sua Presença, fonte de justiça, de solidariedade e de paz.

Assim avançaremos para as águas mais profundas da santidade, da comunhão e da missão, sustentados pela força do Espírito e pela presença do Senhor na Eucaristia.

Que Maria Santíssima, Estrela da Evangelização, nos ajude e acompanhe em todos os momentos / desta caminhada apostólica”.

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao Teu!

Compartilhar

Coração de Sião - Outubro de 2015

| Imprimir | PDF 

FAMÍLIA, CÉLULA FUNDAMENTAL DA SOCIEDADE.

Neste mês, tem início uma das mais belas estações do ano, a primavera. Nesta, árvores florescem, a natureza fica colorida e nós nos admiramos com a beleza da criação.

Tudo o que Deus criou é perfeito. “Deus viu que isso era bom” (cf. Gn 1, 25).

O homem e a mulher são a parte principal da criação, pois "Deus disse: ‘Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Que ele reine sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos e sobre toda a terra, e sobre todos os répteis que se arrastem sobre a terra’. Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: ‘Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.’ Deus disse: ‘Eis que eu vos dou toda a erva que dá semente sobre a terra, e todas as árvores frutíferas que contêm em si mesmas a sua semente, para que vos sirvam de alimento. E a todos os animais da terra, a todas as aves dos céus, a tudo o que se arrasta sobre a terra, e em que haja sopro de vida, eu dou toda erva verde por alimento.’”. (cf. Gn 1,26-30).

Contemplando toda a sua criação após criar o homem e a mulher, disse Deus que “tudo era muito bom” (cf. Gn 1,31).

O homem e a mulher foram capacitados por Deus para serem continuadores da criação, através da família, que também é projeto Dele, pois “criou-os à sua imagem e semelhança” (Gn 1, 27) e ao criá-los, determinou: “frutificai, disse Ele, e multiplicai-vos” (cf. Gn 1, 28) e ainda “o homem deixa o seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher; e já não são mais que uma só carne”. (Gênesis 2, 24).

Neste ano, o mês de outubro, será marcado pela realização do 14° Sínodo dos Bispos, de 4 a 25 de outubro de 2015, com o tema "A vocação e a missão da família na Igreja, no mundo contemporâneo". A família “célula fundamental da sociedade humana", como nos dizia São João Paulo II. As inesquecíveis palavras do papa João Paulo II ecoou na boca do papa Francisco, quando, na breve intervenção iniciou o consistório extraordinário, na Sala do Sínodo, no Vaticano, para refletir sobre o tema da família.

Em 2013 foi elaborado um documento preparatório para o Sínodo com o tema: “Os desafios pastorais sobre a Família no contexto da Evangelização”. Este pede atenção sobre o projeto criador de Deus dizendo: “A beleza da mensagem bíblica sobre a família tem a sua raiz na criação do homem e da mulher, ambos criados à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1, 24-31; 2, 4b-25). Ligados por um vínculo sacramental indissolúvel, os esposos vivem a beleza do amor, da paternidade, da maternidade e da dignidade suprema de participar deste modo na obra criadora de Deus. No dom do fruto da sua união, eles assumem a responsabilidade do crescimento e da educação de outras pessoas, para o futuro do gênero humano. Através da procriação, o homem e a mulher realizam na fé a vocação de ser colaboradores de Deus na preservação da criação e no desenvolvimento da família humana”.


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de outubro, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

O 14° Sínodo dos Bispos sobre a Família e também por todos os que irão participar.

E ainda, pelo tráfico de pessoas, para que seja erradicada esta forma moderna de escravidão.

Pela EvangelizaçãoMissão na Ásia, para que, com espírito missionário, as comunidades cristãs do continente asiático anunciem o Evangelho a todos aqueles que ainda não o conhecem.

E como outubro é um mês dedicado às Missões e ao Santo Rosário, peçamos ao Senhor que mais cristãos possam assumir a partir da graça batismal, a responsabilidade de anunciar o Evangelho, colocando através da recitação do Santo Rosário toda ação missionária da Igreja sob a intercessão de nossa querida Mãe, Maria Santíssima.

Sagrado Coração de Jesus, eu espero e confio em Vós!


REZEMOS 

Rezemos pelas intenções do mês, acima apresentadas, com a oração pelo Sínodo:

“Jesus, Maria e José, em vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor e, com confiança, nos voltamos para vós. Sagrada Família de Nazaré, fazei com que nossas famílias sejam lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas Igrejas domésticas. Sagrada Família de Nazaré, que nas famílias nunca haja violência, fechamento ou divisão, que os que foram feridos ou escandalizados sejam consolados e curados. Sagrada Família de Nazaré, nós vos suplicamos que, por ocasião do próximo Sínodo dos Bispos, se reacenda em todos, a consciência do caráter sagrado e inviolável da família, e da sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi e atendei a nossa súplica”.

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!  

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao Teu!

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2017

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.