Últimas Notícias

Vaticano pede mais moderação no sinal da paz na missa

| Imprimir | PDF 

Misa_catholicrelics_co_uk_CC_BY-NC-SA_2_0

O Site ACI/EWTN Noticias publicou nesta segunda-feira (04/08/16), uma notícia informando que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, em uma recente carta circular, anunciou que a localização do sinal da paz dentro da missa não mudará, mas sugeriu várias formas nas quais o rito poderia ser realizado com maior dignidade.

Em um comunicado difundido em 28 de julho, o secretário geral da Conferência Episcopal Espanhola, Pe. José María Gil Tamayo, indicou aos bispos locais que “a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos se pronunciou a favor de manter o ‘rito’ e o ‘sinal’ da paz no lugar onde se encontra hoje no Ordinário da Missa”.

O Pe. Gil Tamayo anotou que isso foi feito porque o rito da paz é “característico do rito romano” e “por não crer que seja conveniente para os fiéis introduzir mudanças estruturais na Celebração Eucarística, no momento”.

O sinal da paz é realizado depois da consagração e justo antes da recepção da Comunhão. Foi sugerido que mudasse para antes da apresentação dos dons.

O comunicado do Pe. Gil Tamayo foi enviado aos bispos espanhóis, e serve de prefácio à carta circular da Congregação para o Culto Divino, que foi assinada em 8 de junho deste ano pelo Cardeal Antonio Cañizares Llovera, seu prefeito, e seu secretário, Dom Arthur Roche.

A carta circular tinha sido aprovada e confirmada no dia anterior pelo Papa Francisco.

A carta fez quatro sugestões concretas sobre como a dignidade do sinal da paz deve ser mantida contra os abusos.

O Pe. Gil Tamayo explicou que a carta circular é um fruto do sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia, em 2005, no qual se discutiu a possibilidade de mover o rito.

“Durante o Sínodo dos bispos se viu a conveniência de moderar este gesto, que pode adquirir expressões exageradas, provocando certa confusão na assembleia precisamente antes da Comunhão”, escreveu Bento XVI em sua exortação apostólica pós-sinodal “Sacramentum caritatis”.

Bento XVI acrescentou que “pedi aos dicastérios competentes que estudem a possibilidade de mover o sinal da paz a outro lugar, tal como antes da apresentação dos dons no altar… levando em consideração os antigos e veneráveis costumes e os desejos expressos pelos Padres Sinodais”.

Uma inspiração para a mudança sugerida foi a exortação de Cristo em Mateus 5,23, que “se lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão”. Também teria levado o rito à conformidade, nesse aspecto, com o rito ambrosiano, celebrado em Milão (Itália).

O Caminho Neocatecumenal, um movimento leigo na Igreja, já moveu o sinal da paz em suas celebrações do rito romano, para antes da apresentação dos dons.

A decisão da congregação vaticana de manter o lugar do sinal da paz foi o fruto do diálogo com os bispos do mundo, que começou em 2008, e em consulta tanto com Bento XVI como com o Papa Francisco.

A Congregação para o Culto Divino disse que “oferecem-se algumas disposições práticas para expressar melhor o conteúdo do sinal da paz e para moderar os excessos, que suscitam confusão nas assembleias litúrgica antes da Comunhão”.

“Se os fiéis não compreendem e não demonstram viver, em seus gestos rituais, o significado correto do rito da paz, debilita-se o conceito cristão da paz e se vê afetada negativamente sua própria frutuosa participação na Eucaristia”.

Sobre esta base, a congregação ofereceu quatro sugestões que procuram formar o “núcleo” de catequese sobre o sinal da paz.

Primeiro, enquanto confirma a importância do rito, enfatiza que é “totalmente legítimo afirmar que não é necessário convidar ‘mecanicamente’ para se dar a paz”.

O rito é opcional, recordou a congregação, e certamente há vezes e lugares em que não encaixa.

Sua segunda recomendação foi que como as traduções são feitas da típica terceira edição do Missal Romano, as Conferências dos Bispos devem considerar “se é oportuno mudar o modo de se dar a paz estabelecido em seu momento”. Sugeriu em particular que “os gestos familiares e profanos de saudação” devem ser substituídos com “outros gestos, mais apropriados”.

A Congregação para o Culto Divino também assinalou que há muitos abusos do rito, que devem ser detidos: a introdução de um “canto para a paz”, que não existe no rito romano; Os deslocamentos dos fiéis para trocar a paz; Que o sacerdote abandone o altar para dar a paz a alguns fiéis; e quando, em algumas circunstâncias tais como matrimônios ou funerais, torna-se uma ocasião para felicitações ou condolências.

A exortação final da congregação vaticana foi que as conferências episcopais preparem catequeses litúrgicas sobre o significado do rito da paz e sua correta observação.

“A íntima relação entre lex orandi (lei da oração) e lex credendi (lei da fé) deve obviamente estender-se a lex vivendi (lei da vida)”, concluiu a carta da congregação.

“Conseguir hoje um compromisso sério dos católicos frente à construção de um mundo mais justo e pacífico implica uma compreensão mais profunda do significado cristão da paz e de sua expressão na celebração litúrgica”.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/vaticano-pede-mais-moderacao-no-sinal-da-paz-na-missa-21852/

Compartilhar

Cristãos na China cantam hinos chorando ao ver a cruz de sua igreja sendo removida.Veja!

| Imprimir | PDF 

igreja-na-cidade-Wenzhou-China-retirada-da-cruz-1

Após demolir uma Igreja Cristã e anunciar que mais um templo já recebeu ordem de demolição, uma investigação realizada pela International Christian Concern (ICC) mostra uma perseguição religiosa “anti-igrejas”, onde em uma só província chinesa 64 igrejas foram perseguidas.

Autoridades da província de Zhejiang demoliram a Igreja Cristã Sanjiang na cidade de Wenzhou em 28 de abril, mesmo após os protestos que duraram uma semana, onde centenas de fiéis cristãos formaram um corrente humana em torno da igreja.

O que parecia ser um evento isolado, teve uma investigação mais aprofundada pela International Christian Concern (ICC), e foi revelado que se trata de uma repressão generalizada e maciça anti-igrejas, o qual foi constatado que pelo menos 64 igrejas só na província de Zhejiang foram perseguidas, sendo que a ação mostrou uma igreja até o momento foi demolida( Igreja Cristã Sanjiang) e as outras form vandalizadas (tendo as suas cruzes retiradas, que em alguns casos a estrutura do prédio era prejudicada, como a remoção com guindastes e parte da construção onde a cruz estava fixa era retirada junto).

O portal de noticias China Aid revela que as autoridades retirou 50 cruzes em um dia na cidade Wenzhou e relata que 85 igrejas domésticas recentemente receberam ordens do governo para parar suas reuniões, sob ameaça de sofrer intervenção do governo e fechamento até o final do mês de maio.

A onda de igreja demolida e a retirada de suas cruzes, se deu quando o secretário Xia Baolong do Partido Comunista da Província de Zhejiang ao realizar uma visita de inspeção na província no inicio deste ano, ficou perturbado com a grande quantidade de cruzes, as quais poderiam ser vistas na linha do horizonte devido a grande quantidade de prédios de igrejas que hospedam milhares de fiéis.

Um contato da ICC disse que: “Ele achou a cruz no topo da Igreja Cristã de Baixi muito visível(chamava muito a atenção)”. A campanha “anti-igreja” foi realizada de acordo com as disposições de vagas nas Leis de Desenvolvimento e embelezamento urbano. A intenção declarada na campanha é “destruir formas agressivas de construções ilegais de acordo com a lei”.

No entanto, a investigação do TPI, revelou que mesmo igrejas aprovadas pelo governo estão enfrentando demolição ou remoção de cruz, como a remoção forçada da cruz no campanário da Igreja Cristã BaiXi na cidade de Wenzhou em 6 de maio. A campanha também tem como alvo quase exclusivamente locais cristãos.

Um contato da ICC disse que: “O governo tem aplicado na província de Zhejiang de forma seletiva a lei apenas em prédios de Igrejas. Outras estruturas “ilegais” não receberam ordens de demolição”. Sooyoung Kim, gerente regional da ICC para o Leste Asiático, diz:”Xia Boaolong, secretário local esta descarada e cuidadosamente minando a forma elaborada dos direitos humanos apresentado a China pela comunidade internacional e continua a implementar a sua campanha anti-igreja, limitando a liberdade religiosa e a reunião de cristãos em igrejas domésticas. “Os cristãos de todos os lugares do mundo interessados em ajudar os cristãos chineses, devem entrar em contato com a embaixada da China em seus países para pedir que para os ataques do secretário local Xia Baolong contra as igrejas na província de Zhejiang. Peça-lhes para se fazer cumprir o artigo 36 da Constituição da China e para que cessem imediatamente a demolição de igrejas e remoção de torres de igrejas e cruzes.”

China Aid – via Persecutin.org

Compartilhar

Irã: Cristão tem lábios queimados por não jejuar no Ramadã.

| Imprimir | PDF 

779748-sharia

Na cidade iraniana de Kermanshah pessoas foram condenadas por não terem participado do Ramadã, período sagrado para os muçulmanos que durante 40 dias fazem jejum.

Entre os condenados está um cristão que teve os lábios queimados com cigarro por ter se alimentado. A punição, segundo o Daily Mail, foi realizada em praça pública.

Mas o cristão não foi o único, outros cinco muçulmanos também foram condenados na cidade por não terem jejuado. A sentença deles foi receber 70 chibatadas, punição também realizada em público.

O Conselho Nacional de Resistência do Irã, um grupo político que se opõe ao governo, é contra essas sentenças e considerou as punições “selvagens” em entrevista ao jornal inglês.

“O silêncio da comunidade mundial, principalmente dos países ocidentais, está frente à frente a essas punições medievais sob a desculpa de que conversas nucleares com o Irã intensificaram a violação brutal e sistemática dos direitos humanos no Irã”, disse o porta-voz do grupo.

No Irã as minorias religiosas sofrem perseguição, a população é formada por 76 milhões de pessoas, destes apenas 250 mil se declaram cristãos. A forma como as minorias são tratadas no país chegou a preocupar a Organização das Nações Unidas que em março enviou um relatório sobre o assunto.

A lei iraniana autoriza torturas, prisões e até penas de mortes para quem não segue o islamismo, a punição do cristão e dos outros cinco muçulmanos que não jejuaram no Ramadã mostra bem como funciona a lei no Irã.

Compartilhar

Pela primeira vez em quase 2.000 anos, praticamente não existem mais cristãos na cidade antiga de Mossul,Iraque.

| Imprimir | PDF 

10556301_10152651769743793_1988361623406337185_n

Pela primeira vez em quase 2.000 anos, praticamente não existem mais cristãos na cidade antiga de Mossul, no norte do Iraque, um dos primeiros locais de implantação do cristianismo. Esse é só mais um passo em uma tragédia que nada nos últimos 30 anos parece conseguir deter: a extinção dos cristãos nessa parte do Oriente Médio que viu surgir o segundo grande monoteísmo.

Esse desaparecimento vem ocorrendo em meio à indiferença e à impotência, sobretudo da União Europeia. Uma parte da História está sendo apagada, carregada pela tormenta desse século, em um Oriente Médio sujeito a uma crise aguda de declínio político-religioso.

As notícias de Mossul, que costumava abrigar uma comunidade de 5.000 a 25 mil cristãos, são mais do que entristecedoras. A cidade, assim como todos os antigos vilarejos assírios-caldeus das cercanias, caiu nas mãos do”Estado Islâmico” –o “califado” decretado pelos jihadistas que se apropriaram de parte do Iraque e da Síria.

Os jihadistas desenharam um ”N” - de ”nassarah”, cristãos em árabe – em cada casa visada. (FOTO ACIMA) Através de panfletos e alto-falantes, os milicianos deram algumas horas aos cristãos para escolherem: converter-se ao islamismo, pagar um imposto especial para não-muçulmanos ou ir embora. As casas foram ”confiscadas”.

Os cristãos fugiram de Mossul e dos vilarejos dos arredores. No último posto de controle antes do Curdistão vizinho, os jihadistas “pegaram dinheiro, joias, telefones e até as bolsas de roupas e de comida”, contaram os refugiados ao enviado especial do ”Le Monde”. O Vaticano acredita que os jihadistas tenham incendiado o arcebispado siríaco deMossul.

Com exceção do Líbano, a região inteira está perdendo suas minorias cristãs

Por generosidade do povo das montanhas, pelo senso tradicional de hospitalidade ou por solidariedade de ex-perseguidos, os curdos, muçulmanos sunitas, têm acolhido os cristãos do Iraque. Irbil, a capital do governo regional do Curdistão do Iraque (GRC), é provavelmente a última cidade do Levante onde se constroem igrejas.

De passagem por Paris, Fouad Hussein, diretor de gabinete do presidente do Curdistão do Iraque, Massoud Barzani, observou que o GRC não recebia nenhuma ajuda por sua hospitalidade – seja da ONU, do Vaticano ou da União Europeia.

O exílio dessas famílias de Mossul é o último episódio do drama vivido pela população cristã do Iraque, uma das mais antigas da região. Segundo várias estimativas, o Iraque contaria com quase um 1,5 milhão de cristãos no final dos anos 1980 (entre 20 milhões de habitantes).

Os anos de embargo da ONU levaram muitos deles a imigrar. Em 2003, no momento da intervenção norte-americana, eles não passavam de 800 mil. Considerados ”pró-americanos”, eles seriam o alvo privilegiado de atos de violência cometidos em nome da luta contra o ocupante. E hoje, eles são quantos? Talvez ainda algumas dezenas de milhares.

Com exceção do Líbano, é toda a região que tem perdido suas minorias cristãs, vítimas da ascensão do islamismo político, das guerras que devastam o mundo árabe, forçadas ao exílio pelas dificuldades econômicas e por um clima político marcado pela intolerância e pelo fanatismo.

Os árabes cristãos não são as únicas vítimas desse expurgo religioso: é todo o mundo árabe que está sendo amputado.

A reportagem foi publicada pelo jornal Le Monde, e reproduzida pelo portal Uol

Compartilhar

Cardeal Bertone afirma que importante passo para a beatificação de João Paulo I poderia ser dado em setembro

| Imprimir | PDF 

JuanPabloI_WikipediaBravoluciani_CC-BY-SA-3.0

O Site ACI/EWTN Noticias informou nesta quarta-feira (23/07/2014), que o ex-secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Tarcisio Bertone, afirmou que a causa de beatificação do Papa João Paulo I poderia dar um passo importante em setembro, durante uma missa celebrada na catedral de Belluno, perto da cidade natal do Papa Luciani.

“Papa Luciani está bem encaminhado para a beatificação. Soube que a ‘positio’ (o documento que analisa a pessoa e suas virtudes para declará-la venerável) está preparada para ser entregue no mês de setembro”, afirmou o Cardeal Bertone.

Desta forma, o cardeal italiano assegurou que o documento completo que examina os dados recolhidos na fase probatória será entregue junto a todas as atas à Congregação para as Causas dos Santos em setembro.

Entretanto, Dom Enrico Dal Covolo, reitor da Pontifícia Universidade Lateranense e postulador da causa para a beatificação do Papa Luciani, anunciou em 2 de julho do ano passado, que entregaria oficialmente ao Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, a positio relativa a João Paulo I em 17 de outubro.

Durante a homilia que pronunciou pela festa dos santos Pedro e Paulo, padroeiros de Agordo, seu povo natal, comentou que escolhia essa data pelo centenário do nascimento de Albino Luciani.

Em todo caso, se o anuncio do Cardeal Bertone for confirmado, faltaria apenas o milagre que poderia levar João Paulo I aos altares. Ele teve um dos Pontificados mais breves da história, só 33 dias.

Na primeira fase de autenticação, o Papa autorizará, em seu caso, a atribuição do título de “venerável”. O processo prosseguirá depois na verificação completa do milagre. Para a santificação são necessários dois milagres.

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/cardeal-bertone-afirma-que-importante-passo-para-a-beatificacao-de-joao-paulo-i-poderia-ser-dado-em-setembro-72948/

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2019

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.