Livro: O preço a pagar por me tornar Cristão.

Este livro apresenta a fascinante autobiografia de Mohammed Moussaoui. Nascido no Iraque, no seio de uma rica e aristocrática família xiita, a vida do jovem parecia tranquila e bem encaminhada, até que a convivência forçada com um cristão durante o cumprimento do serviço militar abala suas certezas acerca do Islamismo. 
Tocado pela leitura da Bíblia, até então desconhecida, e pela experiência de um sonho de natureza mística, Mohammed decide converter-se ao Cristianismo, o que significa arriscar tudo, até mesmo a vida. Uma loucura total! Para os seus pais e os seus familiares é impensável. No Islã, a mudança de religião é um crime.
O seu clã faz tudo para que desista da sua decisão. Mas não há nada a fazer. Depois de intimidações e murros, vêm a prisão e a tortura... 
Depois de ser preso e torturado, ele foge com sua mulher e filhos para a Jordânia com o apoio da pequena comunidade cristã da qual consegue se aproximar. Em seu calvário até conseguir ser batizado e finalmente provar do pão da vida, jamais ousou pensar, no entanto, que seus próprios irmãos atentariam contra sua vida. 
Mohammed, agora José, vive um longo calvário, mas não cede. A autoridade religiosa máxima pronuncia contra ele uma fatwa. Os seus irmãos disparam contra ele, em plena rua. Gravemente ferido, desmaia... 
A que ponto pode chegar a intolerância religiosa? Qual o preço a se pagar para abraçar livremente uma religião? Uma narrativa dramática e eletrizante, que prende o leitor do começo ao fim e o força a rever a profundidade de seu compromisso não apenas com a fé, mas também com valores humanitários.
O preço a pagar é uma história verdadeira. Joseph Fadelle vive na França com a sua família, desde 2001. Agora é cristão, com a nacionalidade francesa.

 

O jovem, sujeito a uma sentença de morte, está rodeado de medidas de segurança, entre as quais a interdição de registro de imagens durante sessões públicas, refere a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, que organizou o encontro e é responsável pela edição portuguesa, em parceria com as Paulinas.

“Não sou nenhum herói”, afirmou o autor, que diz estar a viver “a vontade de Deus”, na seqüência do processo de conversão da tradição muçulmana xiita para o cristianismo, iniciado quando conheceu um companheiro cristão durante o serviço militar.

“Eu acreditava que os cristãos têm três deuses. Depois, quem aceita Jesus como Deus é como se fosse ateu. Há (…) [uma] passagem do Alcorão que diz que os ateus são impuros, e com esta interpretação os cristãos para mim eram impuros”, recordou Joseph Fadelle, acrescentando que a sua primeira intenção era converter o colega.

De acordo com a Renascença o jovem contou que na véspera da conversão sonhou com um rio e uma pessoa à sua espera na outra margem: “Quis saltar, várias vezes não consegui, quando finalmente consegui saltar, fiquei suspenso no ar”.

“A pessoa disse-me, ‘se quiseres posso te ajudar a atravessar, mas tens de comer o pão da vida’. Eu não sabia o que era o pão da vida. No dia seguinte o Massoud (colega) trouxe-me a Bíblia e quando eu a abri a primeira palavra que vi foi ‘Eu sou o pão da vida’. Foi um sinal muito forte para mim”, realçou.

Joseph Fadelle, ao residir na França, “viveu a prisão, tortura e a condenação à morte” e está obrigado a viver, “de certa forma, em clandestinidade”, sublinhou Nuno Rogeiro, professor universitário, que apresentou o livro perante dezenas de pessoas.

A publicação do livro, que segundo o analista de política internacional fala de “um tema atual e doloroso”, é encarada pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre “como fazendo parte do trabalho de denúncia de todos os casos em que a liberdade religiosa esteja comprometida”, explicou a diretora, Catarina Bettencourt.

Fonte: Agência Ecclesia

Compartilhar

| Imprimir | PDF 

Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2018

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.