Coração de Sião

Coração de Sião - Junho de 2018

| Imprimir | PDF 

 

 “Vinho novo em odres novos

Chegamos à metade do ano. Após cinco meses intensos, muita festa litúrgica, período que concluímos com a Solenidade de Corpus Christi no último dia trinta e um de maio.

Agora, durante o tempo comum que irá perdurar até 25 de novembro quando celebraremos a Festa de Cristo Rei, permaneçamos no sopro do Pentecostes, não percamos de vista tudo o que vivemos nesses primeiros meses de 2018. Durante os próximos meses vivamos sob a moção do Espírito Santo, vivamos como os apóstolos, pois no dia de Pentecostes, eles “começaram a falar em todas as línguas. Aprouve a Deus, naquele momento, significar a presença do Espírito Santo, fazendo com que todo aquele que O tivesse recebido, falasse em todas as línguas. Devemos compreender que se trata do mesmo Espírito, pelo qual o amor de Deus foi derramado em nossos corações.

O amor haveria de reunir na Igreja de Deus todos os povos da terra. Como naquela ocasião um só homem, recebendo o Espírito Santo, podia falar em todas as línguas, agora, uma só Igreja, reunida pelo Espírito Santo, se exprime em todas as línguas. Se por acaso alguém nos disser: 'Recebeste o Espírito Santo; por que não falas em todas as línguas?'  responderemos: 'Eu falo em todas as línguas. Porque sou membro do Corpo de Cristo, isto é, da sua Igreja, que se exprime em todas as línguas. Que outra coisa quis Deus significar pela presença do Espírito Santo, a não ser que sua Igreja falaria em todas as línguas?’

Deste modo, cumpriu-se o que o Senhor tinha prometido: ‘Ninguém coloca vinho novo em odres velhos. Vinho novo deve ser colocado em odres novos. E assim ambos são preservados’ (cf. Lc 5,37-38).

Por isso, quando ouviram os apóstolos falar em todas as línguas, diziam, com certa razão: ‘Estão cheios de vinho’ (At 2,13). Na verdade, já transformados em odres novos, renovados pela graça da santidade, a fim de que, repletos do vinho novo, isto é, do Espírito Santo, parecessem ferver ao falar em todas as línguas. Com este milagre tão evidente prefiguravam a universalidade da futura Igreja, que haveria de abranger as línguas de todos os povos.

Celebremos sempre, nesta lembrança, este dia como membros do único Corpo de Cristo.  Não celebraremos em vão, se realmente somos aquilo que celebramos, isto é, se estamos perfeitamente incorporados naquela Igreja que o Senhor enche do Espírito Santo e faz crescer progressivamente através do mundo inteiro. Esta Igreja ele reconhece como sua e é por ela reconhecido como seu Senhor. O esposo não abandonou sua esposa; por isso ninguém pode substituí-la por outra.

É a vós, homens de todas as nações, que sois a Igreja de Cristo, membros de Cristo,  corpo de Cristo, esposa de Cristo, é a vós que o Apóstolo dirige as palavras: 'suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. Aplicai-vos em guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz' (Ef 4,2-3). Então, ao lembrar o preceito de nos suportarmos uns aos outros, falou-nos do amor, e se referindo à esperança da unidade, evidenciou o vínculo da paz.

A Igreja, casa de Deus, edificada com pedras vivas. Nela o Eterno Pai gosta de morar; nela seus olhos jamais devem ser ofendidos pelo triste cena da divisão entre seus filhos”.   

Fonte – liturgia das horas – 2ª leitura  - sábado – 7ª semana – tempo pascal  - Dos Sermões de um Autor africano anônimo, do século VI


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

 Em junho, a intenção do Santo Padre é dedicada às redes sociais, para que estas “favoreçam a solidariedade e o respeito pelo outro na sua diferença”.

Continuemos ainda neste mês a pedirmos pelas intenções da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo muito especial peçamos pelas crianças e idosos.

Neste mês dedicado ao Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, devoções populares e, sem dúvida, é uma das piedades mais difundidas e mais amadas pelos fiéis. Peçamos para que os cristãos se voltem para o Senhor e o testemunhem, reconhecendo-se filhos de Nossa Senhora e obedientes a ela, busquem a unidade e a paz.   

Imaculado coração de Maria, sede a nossa salvação.

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


 

 

REZEMOS

 

Rezemos neste mês dedicado ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração, pedindo sua intercessão!

“Santíssimos Corações de Jesus e Maria, unidos no amor perfeito, como nos olhais com carinho e misericórdia, consagramos nossos corações, nossas vidas, nossas famílias e assim também todos os cristãos a Vós. Conhecemos que o belo exemplo de vosso lar em Nazaré, foi um modelo para cada uma de nossas famílias. Esperamos obter, com Vossa ajuda, a união e o amor forte e perdurável que vos destes. Que todos os lares sejam cheios de alegria. Que o afeto sincero, a paciência, a tolerância, e o respeito mútuo sejam dados livremente a todos. Que nossas orações incluam as necessidades dos outros, não somente as nossas. E que sempre estejamos próximos dos sacramentos. Abençoai a todos os presentes e também os ausentes, tantos os vivos como os defuntos; que a paz esteja conosco, e quando formos provados, concedei a resignação cristã à vontade de Deus. Mantende nossas famílias perto de Vossos Corações; que Vossa proteção especial esteja sempre conosco”. Amém!

Sagrados Corações de Jesus e Maria, escutai nossa oração.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – http://www.comunidadesiao.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5003:oracao-de-consagracao-aos-sagrados-coracoes-de-jesus-e-imaculado-coracao-de-maria&catid=7:espiritualidade&Itemid=83

 

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Maio de 2018

| Imprimir | PDF 

 

 Olhou para a humildade de sua serva

Chegamos a maio, mês dedicado a Virgem Maria desde o século XIII, por uma primeira iniciativa do rei Afonso X, de Castela e León, na Espanha. A partir de então, começam a surgir práticas devocionais no sentido de homenagear à Virgem Santíssima. Aos poucos, o mês vai tomando um aspecto mariano que se consolida no séc. XVIII, com a publicação de obras como a do padre jesuíta A. Dionisi, que pode ser considerado o iniciador do mês mariano.

Este mês é repleto de festas, dedicadas à Nossa Senhora: 13 de maio celebramos a primeira aparição de Nossa Senhora em Fátima. A visitação de Nossa Senhora à sua prima Isabel é celebrada no dia 31 de maio (quando neste ano será celebrado Corpus Christi). E por ser Maria, a Mãe de Deus e nossa, o mundo cristão comemora o Dia das Mães no segundo domingo, rogando-lhe que defenda, proteja e auxilie todas as mães em sua difícil missão.

A devoção à Virgem Maria quer destacar o papel fundamental dela, de Medianeira de todas as graças, intercessora permanente do povo de Deus, modelo para as mães cristãs, pura e santa, sempre pronta e disposta a fazer a vontade de Deus. É um tempo por excelência para as noivas se casarem e consagrarem seus casamentos à Ela, é o mês de rezar o Rosário e a Sua bela Ladainha lauretana.

Todos deveriam, em especial as mulheres, ter essa jovem Maria, como modelo, por ser ela mulher virtuosa, tendo a humildade como base de todas as virtudes. Virtude que pode ser observada quando, já grávida, “partiu apressadamente” (cf. Lc 1, 39) para visitar a sua prima Isabel, pois, sabendo da gravidez de sua prima idosa, vai ajudá-la nos seus afazeres domésticos, e “lá permaneceu até se completar o tempo do nascimento” (Lc 1, 56).

Ao encontrar sua prima, a criança “pulou no ventre de Isabel” (Lc 1, 41), e cheia de alegria disse: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre” (Lc 1, 42) e Maria respondeu com a seguinte oração: “Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humildade de sua serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo. Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem”. (cf. Lc 1, 47-50).

Assim como Maria, denominada pela Igreja Nossa Senhora, se fez serva humilde, quando do anuncio do anjo Gabriel, possamos nós, cada um de nós, nos abrirmos à vontade do Senhor, sob a intercessão de Nossa Senhora, a Serva humilde e obediente que através do seu Sim nos deu o Salvador!    

Fonte - https://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2016/01/26/as-devocoes-da-igreja-para-cada-mes-do-ano/


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de maio, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

 Pela missão dos leigos: que os fiéis leigos realizem a sua missão específica colocando a sua criatividade ao serviço dos desafios do mundo atual.

E ainda, precisamos continuar, pedindo pelas intenções da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo muito especial peçamos pelas crianças e idosos.

Peçamos por todos os cristãos, para que saibam se reconhecer filhos de Nossa Senhora e obedientes a ela, busquem a unidade e a paz.   

Imaculado coração de Maria, sede a nossa salvação.

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


REZEMOS

 

Rezemos neste mês dedicado a Nossa Senhora, pedindo a intercessão do seu Imaculado Coração!

Ó Sagrado Coração de Maria, sempre Virgem e Imaculada na sua santíssima Conceição!
Coração o mais santo, o mais puro, o mais perfeito, o mais nobre, o maior que a mão Onipotente do Criador formou em uma pura criatura: princípio inexaurível de graça, de bondade, de doçura, de misericórdia e de amor, modelo de todas as virtudes, imagem perfeita do Coração adorável de Jesus Cristo; Vós vos abrasastes sempre na mais ardente caridade: Vós só amastes a Deus mais que todos os serafins, mais que todos os santos juntos. Vós só destes mais glória á Trindade Augusta pelo menor dos vossos afetos, do que lhe têm dado e que lhe podem dar todas as outras criaturas pelas mais heroicas ações. Prostrado diante de Vós, Coração sagrado da Mãe de misericórdia, eu vos tributo o culto mais profundo que vos é devido: dou-vos graças pelos benefícios, que tenho recebido da vossa maternal bondade. Vós sereis, ó Coração amabilíssimo, Vós sereis de hoje em diante, depois do Coração do vosso amado e divino Filho, o objeto da minha veneração, do meu amor e da minha mais eterna devoção.
Vós sereis o caminho por onde irei ao meu Salvador, e por vós é que eu receberei as suas graças e misericórdias: sereis o meu refúgio nas aflições, a minha consolação nas penas, e o meu socorro em todas as necessidades. Assim seja.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – www.nossasagradafamilia.com.br/conteudo/oracao-ao-sagrado-coracao-de-maria.html

 

 

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Março de 2018

| Imprimir | PDF 

“Sim, se é sim; não, se é não” 

Chegamos ao mês março de 2018, Tempo da Quaresma que precede e dispõe à celebração da Páscoa. Tempo de escuta da Palavra de Deus e de conversão, de preparação e de memória do Batismo, de reconciliação com Deus e com os irmãos, de recurso mais frequente às “armas da penitência cristã”: a oração, o jejum e a esmola (cf. Mt 6,1-6.16-18).

Neste momento de guerra, violência e tantos desajustes e contravalores, vividos em toda a humanidade, vale a pena repensarmos o quanto temos sido verdadeiros naquilo que dizemos ser.

Entre os católicos, dizem existir, os praticantes e não praticantes. Ser católico é praticar a religião. A nossa fé é pratica, pois “de que aproveitará, meus irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Poderá a fé salvá-lo?” (Tg 2,14), então se não há prática, não existe catolicismo e sim simpatizantes, ou o que se diz ser católico não o é.

O batismo nos concede a graça de sermos sacerdote, profeta e rei. Se tomarmos posse dessa condição, devemos seguir e copiar Jesus em tudo, como nos diz o apóstolo São Paulo: “Eu vivo, mas já não sou eu, é Cristo que vive em mim. Minha vida presente na carne, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. Não menosprezo a graça de Deus”. (Gl 2, 20-21)

Existe fora do meio católico pessoas (de outras religiões e seitas) que nos observam e veem claramente que apesar de existirem muitos católicos, uns seguem e vivem os ensinamentos de Deus e da Igreja (praticantes) e outros não (não praticantes). Entre estes escutamos: este é um verdadeiro cristão, que é o católico praticante, pois dizem eles, que existem muitos falsos cristãos ou só de nome, os não praticantes. Infelizmente no meio cristão temos essas questões. Será que em outras religiões e seitas, existem também, os praticantes e os não praticantes?

Pode-se dizer ainda, que o católico praticante é o que dá testemunho da sua fé, respeitando e cumprindo tudo que a Igreja representa em sua vida. Sim, podemos dizer, sou praticante, pois prático e exercito a minha fé.

Agora, diante das exposições, existe católico ou não católico. Católico de verdade, pratica a sua fé. Os não católicos apenas “dizem ser” mas não tem o compromisso de ir à missa ou respeitar a doutrina.

Aproveitemos este tempo de preparação para a Páscoa e nos posicionemos de fato, pois Jesus nos fala “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno”. (Mt 5, 37)


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de março, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Pela evangelização: formação para o discernimento espiritual. Para que toda a Igreja reconheça a urgência da formação para o discernimento espiritual, a nível pessoal e comunitário.

E ainda, não deixemos de pedir pelo êxito da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo especial peçamos pelas crianças e idosos.

E que o Senhor, com o seu auxílio nos faça testemunhas da verdade, da justiça e da paz. Que todos os pensamentos e ideologias que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


 

REZEMOS

Rezemos então conforme nossas intenções pelos objetivos e êxito da CF 2018, e ainda por nossa conversão, para que sejamos testemunhas de fato de Cristo como Igreja em nossos ambientes e por todas as situações apresentadas em nossas intenções: “Senhor, hoje recordas-nos que somos pecadores, convidando-nos à conversão radical das nossas vidas. Hoje dizes-nos: ‘Convertei-vos e acreditai no Evangelho!’. É uma ordem de libertação de tudo o que nos degrada. Eis aqui a tarefa da Quaresma no caminho para a Páscoa. A cinza é garantia da ressurreição do homem novo. Queremos despojar-nos da hipocrisia que nos corrói: que saibamos procurar-Te e agradar-Te em segredo. Queremos refazer a nossa opção batismal para chegar à noite da vigília pascal como homens e mulheres novos, renascidos do Teu Espírito”. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso! 

FONTE – http://www.paroquiaqueijas.net/portal/evangelizacao/tempo-de-oracao/quaresma-pascoa/72-oracao-em-tempo-de-quaresma

Compartilhar

Coração de Sião - Abril de 2018

| Imprimir | PDF 

 Vós julgais segundo a aparência”

Chegamos ao mês de abril, tempo pascal, que compreende cinquenta dias entre o domingo da Ressurreição e o domingo de Pentecostes. Dias celebrados com alegria e exultação, como se fossem um só dia de festa, ou ainda, “como um grande domingo”.

Passamos a quaresma em preparação para celebrarmos bem a Páscoa. Nesses quarenta dias, buscamos aprofundar o nosso processo de conversão, através da oração, jejum e esmola. Agora, neste período aguardamos a grande promessa que é o derramamento do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, quando encerraremos o tempo pascal.

Será que existe ainda hoje nas pessoas, a consciência da necessidade de buscar a conversão e renovar a efusão do Espírito Santo? Nos tempos atuais, homens e mulheres em sua grande maioria, estão muito preocupados com a aparência exterior, parece que esqueceram que também é necessário e prioritário cuidar do interior. "Vós julgais segundo a aparência; eu não julgo ninguém. E, se julgo, o meu julgamento é conforme a verdade". (cf. Jo 8, 15-16)

Diz Bento XVI, nosso papa emérito: “a necessidade e a urgência de um renovado diálogo entre estética e ética, entre beleza, verdade e bondade, nos são repropostas não apenas pelo atual debate cultural e artístico, mas também pela realidade quotidiana. Com efeito, a vários níveis sobressaem dramaticamente à separação, e às vezes o contraste entre as duas dimensões, a da busca da beleza, mas compreendida de modo redutivo como forma exterior, como aparência que se procura a todo o custo, e a da verdade e da bondade das ações que se realizam para alcançar uma certa finalidade. Com efeito, uma busca da beleza que fosse alheia ou separada da busca humana da verdade e da beleza transformar-se-ia, como infelizmente acontece, em mero esteticismo e, sobretudo para os mais jovens, num itinerário que termina no efêmero, na aparência banal e superficial, ou até numa fuga para paraísos artificiais, mas ocultam e escondem o vazio e a inconsistência interior”.1

E ainda, temos que saber que “os homens de hoje estão sujeitos a pressões de toda a ordem e correm o perigo de se verem privados da própria liberdade. Por outro lado, não poucos mostram-se inclinados a rejeitar, sob pretexto de liberdade, toda e qualquer sujeição, ou a fazer pouco caso da devida obediência” (cf. Dignitatis Humanae, 8). É preciso saber que “os que têm a seu cargo educar outros, se esforcem por formar homens que, fiéis à ordem moral, obedeçam à autoridade legítima e amem a autêntica liberdade; isto é, homens que julguem as coisas por si mesmos e à luz da verdade, procedam com sentido de responsabilidade, e aspirem a tudo o que é verdadeiro e justo, sempre prontos para colaborar com os demais de forma que os homens procedam responsavelmente no desempenho dos seus deveres na vida social”. (cf. Dignitatis Humanae, 8)


1 - (Mensagem do Papa Bento XVI ao presidente do pontifício conselho para a cultura por ocasião da 13ª sessão pública dedicada ao tema: "universalidade da beleza: confronto entre estética e ética)


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de abril, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Aqueles que têm uma responsabilidade na economia, “para que os responsáveis pelo planejamento e pela gestão da economia tenham a coragem de rejeitar uma economia da exclusão e saibam abrir novos caminhos”..

E ainda, precisamos continuar, pedindo pelas intenções da CF 2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo muito especial peçamos pelas crianças e idosos.

Que o Senhor, com o seu auxílio nos ajude a abrir os nossos corações em busca da verdade, da justiça e da paz. Que os pensamentos, ideologias e aparências exteriores que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!


REZEMOS

Então conforme nossas intenções, rezemos para que o Senhor, haja na consciência de cada homem e de cada mulher, para que estes desejem a conversão e sob a ação do Espírito realizem o seu Plano de Amor na humanidade, valorizando assim a beleza e a verdade.

“Senhor Deus eterno e todo poderoso, que sois o bem, o sumo bem, a plenitude do bem, que só vós sois bom, que só vós sois belo, infundi em nossos corações a beleza do teu amor que tudo transforma.

Suplicamos, ó mais belo entre os filhos dos homens, nosso santíssimo Senhor Jesus Cristo, que nos chamastes a partilhar na vossa luz da herança aos vossos santos reservada, o dom da beleza, que é a aceitação de quem nós somos e a alegria de vos amar”.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – https://rezairezairezai.blogspot.com.br/2011/01/oracao-da-beleza.html

 

 

 

 

Compartilhar

Coração de Sião - Fevereiro de 2018

| Imprimir | PDF 

“Somos todos irmãos

Entramos no segundo mês de 2018. Fevereiro nos trás o Carnaval, e todos sabemos que ao final desta festa, vem à quarta-feira de cinzas que dá inicio ao tempo da quaresma em preparação a páscoa.

No Brasil, a CNBB nos apresenta na quaresma, a Campanha da Fraternidade, que neste ano tem como tema “fraternidade e superação da violência" e como lema ‘em Cristo somos todos irmãos’ (Mt 23,8).

A campanha da fraternidade tem como objetivo geral, Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

 E tem como objetivos específicos: anunciar a Boa-Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal; analisar as múltiplas formas de violência, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira; identificar o alcance da violência, nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação, a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça, em sintonia com o Ensino Social da Igreja; valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão; identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas para superação da desigualdade social e da violência; estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência; apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

Diante do tema proposto pela CNBB, através da CF2018, cabe-nos uma pergunta: “O que fazer para ajudar a construir a cultura de paz?”

Para responder, é preciso: ter como critério o Evangelho; a superação da justiça do pagar pelo que faz; a misericórdia, a solidariedade e o desejo de superação devem ser os elementos que fundamentam a ação; ninguém deve pagar o mal com o mal, mas com o bem; renunciar a qualquer forma de violência; não ver nas armas a solução para os conflitos humanos; criar novos relacionamentos a partir da fraternidade e da necessidade de um projeto social comum; a solidariedade para com as vítimas da violência; o respeito pela dignidade em todas as condições da vida; a luta pela conversão pessoal e pela conversão de todos; respeito às diferenças, contra o preconceito e a discriminação; refletir nas famílias sobre a cultura da reconciliação e da paz e sobre estratégias de solução; repensar a própria responsabilidade em relação à sociedade, promover momentos para exercer o discernimento evangélico acerca do que ocorre na comunidade, bairro, cidade, e identificar situações de violência; desenvolver o diálogo com outras religiões e posições diferentes. 

  


INTENÇÕES DO MÊS

Neste mês de fevereiro, unidos ao Papa Francisco e a toda a Igreja, coloquemos como intenção das nossas orações:

Por todo o mundo para frear a corrupção: “Para que aqueles que têm um poder material, político ou espiritual não se deixem dominar pela corrupção”. 

E ainda, não deixemos de pedir pelo êxito da Cf2018 e por todas as situações de violência, falta de paz, pobreza e fome no mundo. De modo especial peçamos pelas crianças e idosos.

E que o Senhor, com o seu auxílio nos faça testemunhas da verdade, da justiça e da paz. E que todos os pensamentos e ideologias que tentam destruir os valores do ser humano e da família, possam cair por terra!

Sagrado Coração de Jesus, nós esperamos e confiamos em Vós!!


REZEMOS

Rezemos neste mês pelos objetivos e êxito da CF 2018 e por todas as situações apresentadas em nossas intenções:

Deus e Pai, nós vos louvamos pelo vosso infinito amor e vos agradecemos por ter enviado Jesus, o Filho amado, nosso irmão. Ele veio trazer paz e fraternidade à terra e, cheio de ternura e compaixão, sempre viveu relações repletas de perdão e misericórdia. Derrama sobre nós o Espírito Santo, para que, com o coração convertido, acolhamos o projeto de Jesus e sejamos construtores de uma sociedade justa e sem violência, para que, no mundo inteiro, cresça o vosso Reino de liberdade, verdade e de paz. Amém!

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

 

FONTE – CNBB – Campanha da Fraternidade 2018

Compartilhar
Back to top

Copyright © Comunidade Sião 2019

Template by Joomla Templates & Szablony Joomla.